Caso Neymar

Promotor pede dois anos de prisão para Neymar por corrupção no seu contrato

Ministério Público espanhol solicita também uma multa de 8,4 milhões de euros para o Barça

Neymar contra o Málaga, no domingo passado.
Neymar contra o Málaga, no domingo passado.LLUIS GENE

Um promotor da Audiência Nacional da Espanha solicitou nesta quarta-feira uma pena de dois anos de prisão para o atacante brasileiro Neymar, do FC Barcelona, pelo escândalo de corrupção nos negócios relativos à sua contratação pelo clube entre 2011 e 2013. A peça de acusação foi incluída no processo movido na Espanha pela empresa brasileira DIS, anteriormente dona de 40% dos direitos federativos do jogador.

Mais informações

Em seu escrito, o promotor José Perals solicita uma pena de cinco anos de prisão para Sandro Rosell, ex-presidente do Barça, por corrupção e também por crime de fraude. Além disso, pleiteia uma multa de 8,4 milhões de euros (30 milhões de reais) para o clube como pessoa jurídica. A acusação pública, que conseguiu reabrir o caso depois que o juiz de instrução José de la Mata o arquivasse, propõe o fim do processo contra o atual presidente do Barça, Josep Maria Bartomeu.

De la Mata, juiz da Audiência Nacional, aceitou a denúncia contra Neymar e Bartomeu no começo de novembro, num processo envolvendo crimes de fraude e corrupção entre particulares decorrente da contratação do atacante pelo clube catalão.

A Audiência Nacional havia reaberto o caso em setembro passado ao entender que o contrato de 2011, pelo qual o Barça se comprometia a pagar 40 milhões de euros (142,8 milhões de reais, pelo câmbio atual) a Neymar, então jogador do Santos FC, para garantir sua inscrição quando estivesse liberado do contrato vigente na época, não só violava as normas da FIFA como também afetava a livre concorrência entre clubes.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete