papa francisco

Papa nomeia um brasileiro e outros 12 novos cardeais dos cinco continentes

Atual arcebispo de Brasília, Sérgio da Rocha, está entre os que participarão da eleição do próximo papa

Mais informações

“A origem em 11 nações expressa a universalidade da Igreja”, explicou o Papa depois da oração do Ângelus na praça de São Pedro, “que anuncia e dá testemunho da Misericórdia de Deus em cada rincão da Terra”. Destaca-se a presença entre os novos nomeados de três cardeais norte-americanos (destinados a Chicago, Indianápolis e ao dicastério (departamento do Vaticano) para os laicos e a família), um brasileiro (Sérgio da Rocha, arcebispo de Brasília), um mexicano (Carlos Aguiar Retes, arcebispo de Tlanepantla) e um venezuelano (Baltazar Enrique Porras, arcebispo de Mérida). Bergoglio também nomeou cardeais da República Centro-Africana, de Bangladesh, das Ilhas Maurício e de Papua-Nova Guiné. “A inclusão de novos cardeais na Diocese de Roma”, acrescentou Francisco, “manifesta a inseparável relação entre a sede de Pedro e as Igrejas particulares espalhadas pelo mundo”.

Outro dado que chama a atenção nas nomeações é que, entre os 13 novos cardeais eleitores há somente 3 europeus. O espanhol Carlos Osoro (Santander, 1945), o atual arcebispo de Bruxelas, Jozef De Kesel (Gent, 1947) e apenas um italiano, Mario Zenari (Verona, 1946), que é e continuará sendo núncio apostólico na, segundo a expressão empregada pelo Papa, “amada e martirizada Síria”. Entre os quatro cardeais com mais de 80 anos há mais um italiano, monsenhor Renato Corti, arcebispo emérito de Novara, mas sem dúvida é um saldo muito pobre quando se considera o poder quase hegemônico que a conferência episcopal italiana exerceu até agora na vida do Vaticano e, especialmente, na eleição dos novos pontífices. Entre os cardeais eméritos ressalta uma nomeação. É a de um simples sacerdote albanês chamado Ernest Simoni. Condenado à morte durante a ditadura comunista, seu testemunho comoveu o papa Francisco durante visita à Albânia em setembro de 2014. Agora, com 88 anos, será cardeal.

Antes de tornar pública a lista, Jorge Mario Bergoglio pediu durante a oração do Ângelus a solidariedade mundial para o Haiti, depois dos estragos do furacão, e condenou a exclusão na qual costumam viver os migrantes, alertando: “Quantos estrangeiros, e até pessoas de outras religiões, nos dão exemplo de valores que nós às vezes esquecemos ou negligenciamos”.

O mais visto em ...Top 50