_
_
_
_
CINEMA
Crítica
Género de opinião que descreve, elogia ou censura, totalmente ou em parte, uma obra cultural ou de entretenimento. Deve sempre ser escrita por um expert na matéria

‘Elle’, de Paul Verhoeven, e a gestão pessoal da própria monstruosidade

O filme propõe um olhar para uma nova moral, construído na convicção de que todos somos, em maior ou menor medida, monstros

Trailer de 'Elle', de Paul Verhoeven.

Quando os circuitos de exibição se deixavam intoxicar pelos ventos libertários da contracultura, um modesto filme holandês fez a diferença com sua celebração desinibida do corpo e sua exploração do chiaroscuro do prazer: era Louca Paixão (1973), de Paul Verhoeven. Ninguém poderia ter previsto que o cineasta acabaria integrado à maquinaria de Hollywood sem comprometer sua abrasiva identidade: O Vingador do Futuro (1990), Showgirls (1995) e Tropas Estelares (1997) são velhos indicadores da disfuncionalidade no contexto do cinema de consumo. A grande indústria, no entanto, acabou expelindo o corpo estranho. Verhoeven pode ter perdido agressividade com os anos, mas seu encontro com um romance de Philippe Djian, autor que inspirou Betty Blue (1986) e O Amor É um Crime Perfeito (2013), resultou num filme que é soma e psicanálise de toda a sua poética: Elle representa a conquista de um apogeu expressivo, em que o gosto pela provocação do holandês encontra a sua expressão mais torcida, serena e sutil.

ELLE

ELLE

Direção: Paul Verhoeven.

Elenco: Isabelle Huppert, Laurent Lafitte, Anne Consigny, Charles Berling.

Gênero: comédia. França, 2016.

Duração: 130 minutos.

Mais informações
Por que muitos ainda acreditam que Amanda Knox é uma assassina?
Os filmes de Tim Burton, do pior ao melhor
Magaly Solier: “A arte é a única arma contra a violência na América Latina”

Definir esse filme esquivo como um thriller e, tacitamente, associá-lo com Instinto Selvagem (1992) é um desserviço à sua natureza, porque se Elle parece com algo é com as cerimônias da transgressão inventadas por Buñuel e Carrière: O Discreto Charme da Burguesia (1972) e O Fantasma da Liberdade (1974) presidem a árvore genealógica que brota esse filme em que uma mulher reage com uma gelidez perturbadora à sua violação e no qual a raça surpreendente de um recém-nascido não faz com que seu suposto pai saiba somar dois e dois.

Com personagens que parecem mostrar suas respectivas sombras junguianas como quem usa um broche de ouro na lapela, Elle fala da gestão pessoal da própria monstruosidade: uma monstruosidade que, aparentemente, distingue a protagonista interpretada por Isabelle Huppert, num de seus papéis de alto risco que, aos poucos, acaba definindo todos. Não é por acaso que apareça – como pano de fundo – a indústria de videogames, entendida como uma tecnologia a serviço das pulsões inconscientes. Não era o propósito de Djian fazer uma sátira sobre a instituição familiar, nem moralizar. Também não é esse o propósito de Verhoeven. O que Elle propõe é um olhar para uma nova moral, construído na convicção de que todos somos, em maior ou menor medida, monstros. Porque queremos. E o desejo é um animal selvagem.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_