O menos importante na história deste nadador etíope é o seu peso

Robel Kiros Habte quer promover a natação em seu país, mas foi criticado por sua condição física

O nadador etíope Robel Kiros Habte durante a Olimpíada do Rio
O nadador etíope Robel Kiros Habte durante a Olimpíada do Rio Reuters

Aos 24 anos, o nadador etíope Robel Kiros Habte realizou um sonho: participar da Rio 2016. Os resultados não vieram, já que foi o último na prova eliminatória dos 100 metros nado livre masculino, com um tempo de 1min04s95, 17 segundos acima do melhor classificado nessas eliminatórias. Foi o único entre 59 nadadores inscritos a cumprir a prova em mais de um minuto.

Sua eliminação foi motivo de críticas na imprensa etíope, que o acusou de chegar aos Jogos “fora de forma”, e de zoeira nas redes sociais. Alguns sugeriram que ele só disputou a Olimpíada por ser filho do presidente da Federação Etíope de Natação. Mas também houve quem o defendesse.

Sua história vai além das piadas de mau gosto. Habte competiu graças a um convite especial da Federação Internacional de Natação (FINA) a atletas dos países menos representados na competição. Como conta a Slate, sua marca não é muito boa para os padrões internacionais, mas ele é o recordista etíope dos 50 metros livre.

O nadador disse à Reuters que ficou feliz por participar pela primeira vez de uma Olimpíada. Habte queria fazer algo diferente porque no seu país todo mundo corre, “e eu não queria correr, queria nadar”. Também contou que não há treinadores de natação na Etiópia.

"Não sei por que fui mais lento hoje, mas não me importa em que posição terminei”, disse. “Quero ser um nadador olímpico e competir por meu país. E isso eu fiz.”

Sua história lembrou a do nadador Eric Moussambani, da Guiné Equatorial, que também foi convidado pela FINA para os Jogos Olímpicos de Sydney 2000. Fez, na mesma prova, um tempo bem inferior ao do Habte (1min52s72), o que lhe valeu o título de “nadador mais lento do mundo” e o apelido de enguia. Moussambani é o atual treinador da equipe nacional de natação da Guiné Equatorial e será candidato a presidente da federação.

Habte durante as eliminatórias dos 100 metros nado livre.
Habte durante as eliminatórias dos 100 metros nado livre. Getty Images

Habte não foi o único atleta criticado por sua forma física nesta Olimpíada. Aconteceu também com a ginasta mexicana Alexa Moreno, alvo de comentários preconceituosos por causa da sua aparência e seu peso, apesar de ter conquistado oito medalhas em 12 mundiais.

MAIS INFORMAÇÕES