Fim do ‘mistério olímpico’ da Rio 2016: uso intensivo explica piscinas verdes

Organização atribui cor verde das piscinas do Parque Aquático a mudança de alcalinidade da água

Na terça-feira à noite, a cor da água da piscina de saltos do Parque Aquático Maria Lenk mudou subitamente de um azul cristalino para um verde escuro. Os organizadores da Olimpíada Rio 2016 asseguraram que a mudança de cor não afetava a saúde dos atletas, mas reconheceram que não sabiam o que estava acontecendo. Na quarta-feira todos olhavam para a piscina esperando uma solução, mas a água não só não voltou à sua cor original, a piscina ao lado também começou a ficar verde. Desta vez apresentaram uma causa: a mudança no equilíbrio químico da água pelo uso intensivo das piscinas.

“Fizemos pesquisas e a razão foi uma diminuição na alcalinidade da água”, explicaram em um comunicado publicado pela France Presse. “O aumento do uso da piscina nas últimas semanas é a causa da mudança de cor”.

Na segunda-feira, este era o aspecto das piscinas:

Dean Mouhtaropoulos (Getty Images)

Na terça-feira, a piscina de salto (a foto foi tirada do outro lado, e aqui está à esquerda) apareceu verde.

Antonio Bronic (Reuters)

Na quarta-feira, a de salto continuava verde e a piscina ao lado, que é usada para polo aquático e natação sincronizada, também começou a perder sua cor azul clara, embora com menor intensidade que a outra.

Kai Pfaffencach (Reuters)

Em dois dias, embora tenha sido gradual, esta foi a mudança que aconteceram nas piscinas.

Salvar

Nas primeiras horas algumas hipóteses afirmavam como possíveis causas a proliferação de algas ou uma reação química do cloro com algum metal.

Na quarta-feira fontes da organização apresentaram a hipótese das algas. Depois de fazer análise da água, no entanto, indicaram um desequilíbrio químico. A Federação Internacional de Natação, FINA, disse que “os tanques de água tinham ficado sem alguns produtos químicos que são utilizados para o tratamento”. Não considerava, no entanto, que fosse necessário interromper as competições por esta razão, de acordo com a AFP.

Mario Andrada, porta-voz do comitê organizador da Rio 2016 informou que as duas piscinas foram tratadas em uma tentativa de resolver o problema, mas que a chuva durante a noite da terça-feira e durante a quarta-feira podia ter atrasado o processo. “Esperamos que a cor volte a ser azul em breve. Entendemos que uma série de fatores afetou a cor e a alcalinidade da água”, disse.

O porta-voz reconheceu que os responsáveis pela manutenção “deveriam ter feito análises mais intensas”. “Seguimos a rotina habitual, mas provavelmente deveríamos ter percebido que, com mais atletas, a água poderia ser afetada de forma diferente”, disse Andrada.

Christophe Simon (AFP)

De acordo com a agência de notícias francesa, os atletas minimizaram a importância da cor. “Acho que é bastante normal em uma piscina ao ar livre, então para nós não é tão importante”, disse Pandelela Rinong da Malásia, que ganhou prata na terça-feira com sua companheira Cheong Jun Hoong na prova de nado sincronizado.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: