Tensão Racial

A icônica foto contra a violência racial nos Estados Unidos

A cena aconteceu no sábado em Baton Rouge, onde um afro-americano foi morto a tiros pela polícia A manifestante da imagem foi detida no sábado e liberada no dia seguinte

JONATHAN BACHMAN / REUTERS

Alton Sterling, um cidadão afro-americano, foi morto pela polícia na terça-feira passada em Baton Rouge, uma cidade do estado de Louisiana, nos Estados Unidos. No dia seguinte, outro afro-americano, Philando Castile, foi abatido por policiais em Falcon Heights, Minnesota.

Mais informações

Esses acontecimentos, gravados em vídeos, foram seguidos de protestos em algumas cidades norte-americanas contra o tratamento dispensado pela polícia à população afro-americana.

É o caso de Baton Rouge, cenário da morte de Alton Sterling, onde foi realizada, no sábado, uma manifestação com o lema “Black Lives Matter” (“as vidas dos negros importam”), a mesma frase que aglutinou os protestos nas redes sociais.

E foi nessa manifestação que Jonathan Bachman, fotógrafo da Reuters, capturou uma das imagens icônicas dessa onda de protestos: a foto de uma cidadã negra em atitude pacífica que enfrenta serenamente dois policiais da tropa de choque.

O protesto estava sendo realizado em frente ao quartel de polícia em Baton Rouge, na estrada que leva ao aeroporto da cidade. Os agentes tentaram evacuar a zona, mas alguns manifestantes, como a garota da foto, se negaram a abandoná-la e acabaram presos.

Jonathan Bachman, o fotógrafo, contou ao The Atlantic o momento da detenção: “Não foi muito violento. Ela não disse nada. Não resistiu e a polícia não a levou arrastada”. O fotógrafo afirma que, até esse momento, os protestos estavam sendo pacíficos e sem violência. A polícia de Baton Rouge e a cadeia de televisão local WAFB afirmaram que a tensão dos protestos foi aumentando até terminar com 102 prisões e um policial ferido.

Pouco a pouco, os jornalistas foram dando mais informações sobre a manifestante. Shaun King, do New York Daily News, afirmou em seu perfil do Facebook que a garota tinha sido liberada no domingo à tarde. O post alcançou mais de 20.000 compartilhamentos e 1.500 comentários em apenas 15 horas.

Mais tarde, o Daily Mail confirmou sua libertação e afirmou que seu nome era Ieshia Evans, enfermeira de 28 anos e mãe de um menino de cinco. Uma amiga de Evans contou àquele jornal que a protagonista da foto tinha ido de Nova York à manifestação porque “queria um futuro melhor para seu filho”.

A foto icônica recorda – pela composição,apesar dos contextos diferentes – a que protagonizou Maria-Teresa Asplund na Suécia em 1º de maio. Nela, uma cidadã negra enfrentava três membros uniformizados do grupo de extrema direita Movimento de Resistência Nórdica (NRM):

Apesar de o contexto de ambas as imagens ser diferente – em Baton Rouge o pano de fundo é a violência policial, enquanto na Suécia é o aumento da xenofobia na Europa – ambas colocam em primeiro plano o problema do racismo.

“Quando vi o que ela estava fazendo, enfrentando sozinha todos aqueles caras, só pude pensar o que ia ser dela. Foi a surpresa a que me fez aperar o botão da câmera e capturar o instante”, explicou ao Verne naquela ocasião o fotógrafo David Lagerlöf, autor da imagem.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50