Entusiasmo de estrangeiros pelos Jogos fica aquém do previsto

Cerca de 23% dos 4,3 milhões de ingressos para a Olimpíada foram vendidos no exterior

Rio de Janeiro - 13 jul 2016 - 17:22 UTC

A Olimpíada no Rio de Janeiro conseguiu atrair, a menos de um mês do evento, menos estrangeiros do que o esperado. O objetivo dos organizadores era que 30% dos compradores fossem de fora do Brasil, mas esse número hoje beira o milhão de torcedores, apenas 23% dos 4,3 milhões de ingressos vendidos. A audiência estrangeira, liderada pelos EUA, França, Argentina, Alemanha e Japão, pode aumentar, dependendo dos resultados durante o evento. A classificação de um time argentino, por exemplo, pode atrair visitantes de última hora.

Vista aérea do Parque olímpico.
Vista aérea do Parque olímpico.Renato Sette / Prefeitura do Rio

Mais informações

Os números das duas Olimpíadas anteriores apontam que a meta colocada pelo Comitê Rio 2016 foi, talvez, ambiciosa demais. Em Londres 2012, só aproximadamente 25% de 8,5 milhões de ingressos foram comprados por estrangeiros, porém houve competições, as mais populares, como os 100 metros de atletismo com Usain Bolt como estrela, em que cerca da metade do público era de fora. Nas Olimpíadas de Pequim em 2008 os chineses ocuparam 70,6% das cadeiras e, tirando os ingressos destinados a federações e patrocinadores, apenas 16,5% das vendas foram internacionais, segundo dados da candidatura.

Fora o desafio de tornar o evento o mais internacional possível, o Comitê Rio 2016 precisa ainda vender 29% dos ingressos que disponibilizou. Os mais caros, como os da cerimônia de abertura – que custavam de 200 a 4.600 reais – estão praticamente esgotados, mas há ainda 1,7 milhões de ingressos, que vão dos 20 reais para o futebol feminino aos 900 reais para as finais de ginástica artística ou basquete, sem comprador.

Evitar a má imagem que oferecem um monte de cadeiras vazias durante as competições é, no entanto, um problema crônico de todas as edições olímpicas. Os Jogos de Atenas foram lembrados nas matérias jornalísticas pelos enormes espaços vazios entre o públicos, assim como também aconteceu em Pequim ou em Londres.

Apesar do ritmo devagar das vendas, o Comitê afirma que atingiu mais de 90% do 1,045 bilhão de receitas projetadas pela venda de ingressos. Mas atingir ou superar as metas não tornam os comitês imunes às criticas. O Comitê Olímpico de Londres 2012, foi elogiado na época pela estratégia de vendas de ingressos, superou em 32% sua meta de receitas, bateu o recorde ostentado até então por Atenas 2004 e apenas ficou com menos de 300.000 tickets sobrando, mas também foi criticado por, com milhões de libras a mais das previstas, haver perdido a oportunidade de oferecer ingressos a preços mais populares.