Libra cai ao mínimo e fica abaixo de 1,30 dólares

A moeda britânica volta a perder terreno diante do dólar; euro e Bolsas também caem

Bolsa de valores de Londres.EFE | REUTERS-QUALITY (reuters_live)
Madri -

A saída do Reino Unido da União Europeia continua passando fatura à moeda britânica, que vive seus momentos de maior baixa desde a época de Margaret Thatcher. A libra esterlina caiu nesta quarta-feira a níveis mínimos, cotada abaixo de 1,30 dólares (1,2933 perto das 11h, no horário local, apesar de durante a madrugada ter chegado a 1,27). Se após a saída da UE a libra se movimentava aos menores valores desde junho de 1985, a referência negativa seguinte data de fevereiro do mesmo ano, quando chegou a 1,05 dólares. Diante do euro, a queda foi um pouco menor, mas também situando-se em níveis mínimos nos dois anos últimos anos, em 1,1701 euros. Diante da queda da libra, os mercados começaram o dia como terminaram na terça-feira, em baixa. A fuga da renda variável e a busca de segurança levaram o bônus alemão a cotações mínimas, com uma rentabilidade negativa de 0,199%.

Mais informações

Do início do ano até hoje, a libra já caiu 12% em relação à moeda norte-americana, enquanto que frente ao euro chegou a 13%, situando-se em valores do fim de 2013. A incerteza sobre a evolução da economia britânica fora da Europa é o que determina a cotação da libra esterlina. A atuação dos líderes políticos britânicos também não está ajudando sua moeda, com conservadores e trabalhistas envolvidos em batalhas pelo poder depois de ficar claro que não tinham um plano para o caso do triunfo do Brexit na consulta de 23 de junho passado.

Nesta terça-feira, soube-se que três fundos britânicos suspenderam o pagamento de participações por falta de liquidez. O Banco da Inglaterra também demonstrou sua preocupação com a queda da demanda por ativos britânicos entre os investidores. Nesse contexto, espera-se a decisão do Banco do Inglaterra sobre os juros para a semana que vem.

A incerteza sobre a evolução da economia britânica fora da UE é o que determina a cotação da libra esterlina

A volatilidade, portanto, continua tomando conta dos mercados. Os principais mercados europeus abriram em baixa, exceto Londres. No entanto, o índice londrino indicava queda logo depois da abertura da sessão. Às 11h (horário local), o FTSE caía 0,36% (só resistiam as empresas mineiras, que se beneficiam da alta do ouro). Paris perdia 1,56%; Frankfurt, 1,58% e Milão, 1,68%. O Ibex (a bolsa espanhola), por sua vez, caía 1,7%, que se soma a 2,28%. A IAG, holding de companhias aéreas como Ibéria, British Airways e Vueling, é a grande protagonista do dia. Sua fragilidade diante da situação no Reino Unido e as turbulências da companhia aérea Vueling nos últimos dias determinam a cotação da empresa, que cai mais de 6%. Os bancos vêm em seguida, caindo em torno de 3%. Só Gas Natural e Cellnex se salvam da queda.

No mercado de bônus, novamente o alemão serve de refúgio para a aversão ao risco da renda variável, e assim sua rentabilidade se ressente e cai a mínimas históricas. Os investidores pagam quase 0,2% pelos bunds. A rentabilidade do bônus espanhol para 10 anos situa-se em 1,2% e o prêmio de risco está em torno de 135 pontos, um pouco abaixo de ontem.

Finalmente, o petróleo, que foi em junho oscilou segundo as perspectivas do Brexit, caiu com a concretização da saída e agora está cotado a 47 dólares. Hoje cai ligeiramente e o barril de brent está em 47,6 dólares.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: