_
_
_
_

David Cameron culpa a Europa pela derrota no referendo britânico

UE pressiona Londres para que esclareça as condições do Brexit

David Cameron, na terça-feira, em Bruxelas.Foto: reuters_live | Vídeo: O. HOSLET (EFE) | REUTERS-QUALITY

Dezessete milhões de bofetadas depois, o demissionário David Cameron encerrou nesta terça-feira a sua última cúpula europeia, em Bruxelas, dizendo ser “uma noite triste”. Londres espera um divórcio amistoso e gostaria de manter laços estreitos com a União Europeia “em assuntos comerciais, de cooperação e segurança”. Mas o primeiro-ministro britânico se deparou com a reunião de cúpula mais tensa dos últimos tempos, num momento em que Berlim, Paris e Bruxelas endurecem seu discurso. A UE quer que Londres esclareça as condições para a sua saída, para que o novo status do Reino Unido comece a ser negociado. Mas Cameron deixará essa tarefa ao seu sucessor, e culpa a Europa e sua gestão da crise migratória pela derrota no referendo do Brexit.

Todas as famílias felizes se parecem, mas a Europa está se transformando numa daquelas famílias infelizes de Tolstói, onde cada um é um pouco do seu jeito, e os divórcios já não são mais impensáveis. Os 27 países remanescentes ofereceram uma fria acolhida a Cameron nesta terça-feira, na sua última noite europeia, deixando entrever inclusive alguns gestos de hostilidade. Os mercados ensaiaram sua primeira recuperação desde que 17 milhões de britânicos voltaram por deixar a UE. A pressão política, por outro lado, é crescente: o Parlamento Europeu manifestou enorme irritação com o Brexit, e os dirigentes continentais expuseram uma cenografia marcada pela tensão desta cúpula.

Mais informações
Dirigente da UE questiona eurodeputados pró-Brexit: “Por que estão aqui?”
'O mundo deve agradecer ao Reino Unido', por John Carlin
O círculo de ódio social em volta da capital inglesa
Diante do ‘Brexit’, países fundadores oferecem uma Europa de várias velocidades
'Boris Johnson: Trump com uma Enciclopédia', por John Carlin

Ficou claro que os 27 desejam clareza, um calendário e menos ambiguidades para tentar minimizar as incertezas que afetam o Reino Unido, a UE e os mercados globais. Ficou claro, também, que Londres se negará a oferecer isso enquanto Cameron não tiver um sucessor definido. E ficou claro, finalmente, que nem sequer os aliados mais tradicionais de Londres estão dispostos a facilitar as coisas. A chanceler (primeira-ministra) alemã, Angela Merkel, que antes defendia dar tempo ao Reino Unido para lidar com a crise autoinfligida, agora endureceu o discurso: “Quem quiser sair desta família não pode esperar se livrar de todas as obrigações e manter todos os privilégios”, disse ela no Parlamento do seu país.

Cameron devolveu o golpe ao final da jornada, quando declarou solenemente que sua última cúpula europeia foi basicamente “uma noite triste”. Se por acaso havia alguma dúvida, anunciou que a sorte está lançada. “Sou um democrata, o resultado do referendo não é o que queríamos, mas é preciso respeitar a democracia.” Em outras palavras: não haverá recuo. O que ele pediu foi um divórcio amistoso. Disse que a UE e o Reino Unido “são vizinhos, amigos, aliados” e precisam estreitar seus futuros laços em assuntos “comerciais, de cooperação e de segurança”.

Tanto o premiê britânico como os demais líderes europeus destacaram “o ambiente positivo” da reunião. Mas as diferenças existem, e não são simples matizes: Cameron culpou a Europa por não ter respondido adequadamente à ameaça da imigração e argumentou que esse foi o fator decisivo para o Brexit. Em suma, culpou a Europa pelo divórcio, pois Londres se queixa de que a UE impediu a criação de um freio de emergência que interrompesse os fluxos migratórios. Mas isso é falso. Os 28 países da UE chegaram em fevereiro a um acordo sobre esse freio de emergência, mas com uma condição: o Reino Unido não poderia ativá-lo unilateralmente.

A relação entre Londres e Bruxelas está infestada de equívocos desse tipo, que se cristalizaram numa campanha suja, cheia de mentiras pelo lado do Brexit e de ameaças de apocalipse pelo flanco europeísta. Isso, porém, já é história. Cameron pediu um acordo ambicioso para as futuras relações Reino Unido-UE, mas ao mesmo tempo não cedeu às pressões dos 27 e não ativará imediatamente a solicitação de saída. “Essa é uma tarefa que fica para o próximo primeiro-ministro”, disse ele, desafiador, quando já era quase meia-noite em Bruxelas.

A UE já é história para Downing Street. Mas tanto os britânicos como os demais europeus estão conscientes de que o divórcio será longo. Londres começa a perseguir um acordo similar ao da Noruega, com acesso ao mercado único e livre circulação de pessoas, mas com alguma limitação em matéria migratória. Aí tropeçará nos limites impostos por Paris, Bruxelas e aparentemente também Berlim: “Só obtém acesso ao mercado comum quem aceita as quatro liberdades europeias fundamentais: de pessoas, bens, serviços e capital”, cutucou Merkel, cujas palavras costumam acabar inscritas em bronze nos destinos da Europa. François Hollande, presidente da França, foi além: “Por não querer a livre circulação de pessoas, os britânicos perderão seu acesso ao mercado interno”, arriscou. “A partir de agora, os populistas saberão a que se expõem quando propuserem sair da UE.” Menos afiado, o presidente do Governo (primeiro-ministro) espanhol, Mariano Rajoy, pediu que o novo status de Londres seja definido “sem vinganças nem prêmios”.

Dureza em Bruxelas

O mais duro da noite foi Jean-Claude Juncker, chefe da Comissão Europeia (Poder Executivo da UE), que atribuiu a derrota no referendo às várias décadas de euroceticismo no outro lado do canal da Mancha. “Se alguém passa anos dizendo aos seus cidadãos como a UE é má, não deveria ser uma surpresa que as pessoas acabem acreditando.” Bruxelas há dias tenta emplacar a ideia de que haja alguma punição ao Reino Unido, para evitar outros referendos em países onde o populismo antieuropeu se espalha. A Alemanha parece imbuída dessa tarefa, e Merkel, a mulher mais poderosa da Europa, elevou o tom para mostrar algumas fronteiras que ela não quer que sejam ultrapassadas. Nada de “retalhar” o bolo europeu para que cada um escolha os pedaços que considera mais apetitosos, avisou.

Em meio à mais profunda convulsão desde o início do projeto europeu, por volta de 1958, as feridas estão abertas. “Talvez seja algo muito pessoal, mas no dia seguinte ao Brexit senti como se alguém próximo a mim tivesse ido embora de casa, e nesse mesmo momento senti como essa casa era querida e apreciada por mim.” Parece ser outra frase de Anna Kariênina, mas se trata de uma declaração do presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk. “Com Londres ficará a amizade, mas só isso”, afirmou Juncker, com aspereza. Tusk anunciou que o formato de reunião informal entre os 27 – a Europa dos 28 já é passado – terá continuidade em setembro. Uma cúpula sem Londres, uma reunião para pactuar o primeiro divórcio da desventurada família europeia em seis décadas.

BCE ALERTA PARA O IMPACTO ECONÔMICO

O Banco Central Europeu (BCE) começa a usar a calculadora para avaliar as consequências econômicas do Brexit. O presidente do BCE, Mario Draghi, alertou na noite da terça-feira aos chefes de Estado e de Governo sobre um “longo período de volatilidade”. Mesmo assim, os números que ele citou soam moderados, com uma estimativa de impacto econômico na zona euro de 0,3% a 0,5% do PIB acumulado nos três próximos anos.

Outros participantes na cúpula apontaram riscos maiores. O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, avisou que o medo da incerteza pode causar retiradas maciças dos bancos. Cifras à parte, já há em Bruxelas movimentos para levar a Autoridade Bancária Europeia (EBA, na sigla em inglês), hoje com sede em Londres, para outra cidade da UE, como Paris ou Frankfurt.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_