Barcelona assume a culpa no caso Neymar

Dirigentes do clube, Josep Maria Bartomeu e Sandro Rosell, seriam inocentados

Neymar no tribunal.
Neymar no tribunal.Kiko Huesca (EFE)

A diretoria do FC Barcelona se reunirá a partir das 14h (9h em Brasília) para ratificar o acordo negociado entre os advogados do clube, o Ministério Público e a Advocacia do Estado no chamado caso Neymar. O acordo obrigaria inicialmente o Barça, como pessoa jurídica, a pagar cerca de cinco milhões de euros (19,2 milhões de reais) por fraude fiscal nos exercícios de 2011 e 2013. A entidade assumiria assim o erro de não ter feito as retenções correspondentes quando o jogador brasileiro se transferiu do Santos para o Barcelona.

Mais informações
Promotor espanhol pede que Neymar seja julgado por corrupção
Brasil disputa a Copa América de olho na Olimpíada
Neymar fechou com o Barça um contrato mínimo de 45,9 milhões
Neymar é considerado culpado por sonegação e fraude fiscal

O presidente do clube, Josep Maria Bartomeu, e seu antecessor Sandro Rosell, por sua vez, ficariam inocentados das acusações – pelas quais a promotoria pediu penas de dois anos e três meses de prisão, no caso de Bartomeu, e sete anos e meio, no caso de Rosell. Fontes do clube esperam também a que o acordo judicial contribua para resolver uma segunda disputa, aberta pela empresa DIS, que detinha parte dos direitos sobre Neymar.

O acordo, negociado nas últimas semanas, já provocou algumas críticas segundo as quais o clube não pode arcar com a má gestão das diretorias presididas por Rosell e Bartomeu, ainda mais porque ambos moveram uma ação de responsabilidade contra a diretoria presidida por Joan Laporta assim que chegaram ao FC Barcelona, em 2010.

O caso Neymar foi justamente um dos estopins da saída de Rosell da presidência azul-grená, sobretudo depois que o preço pela contratação do jogador brasileiro foi subindo até se aproximar de 100 milhões de euros (384 milhões de reais, pelo câmbio atual).

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS