Promotor espanhol pede que Neymar seja julgado por corrupção

Promotor atribui ao jogador crime de corrupção entre particulares por suposto golpe contra o fundo brasileiro que gerenciava seus direitos federativos

Mais informações
Neymar pode ser preso?
Contrato com Barça garante a Neymar salário de 45,9 milhões de euros por cinco temporadas
Justiça embarga jatinho e iate de Neymar por suspeita de sonegação

A Promotoria da Audiência Nacional (corte nacional de alta instância na Espanha) pediu que o jogador do Barcelona Neymar da Silva Júnior, e seu pai sejam levados a julgamento por crime de corrupção entre particulares devido a um suposto golpe que teria sido aplicado contra o fundo brasileiro que gerenciava os direitos federativos do atleta.

O promotor José Perals solicitou, para tanto, ao juiz da Audiência Nacional José de la Mata que acate a denúncia contra ambos no processo em que se investiga a ação do Fundo DIS, que possuía 40% dos direitos federativos de Neymar e se considera prejudicado por não ter recebido o dinheiro que lhe cabia. O Ministério Público solicita que a ação seja estendida ao Barcelona e ao Santos –time de origem de Neymar— como pessoas jurídicas.

A promotoria pública pede que seja julgado também o ex-presidente do Barcelona Sandro Rosell. Ao mesmo tempo, foi retirada a acusação que havia contra o atual mandatário do clube, Josep Maria Bartomeu.

Em fevereiro último, o juiz De la Mata tomou depoimento de Neymar, de seus pais –Neymar da Silva Santos e Nadine Gonçalves da Silva--, do presidente do Barcelona, Josep Maria Bartomeu, e de seu antecessor no cargo, Sandro Rosell, por terem aplicado golpe no processo de efetivação da contratação do jogador brasileiro pelo clube espanhol. A DIS defende que deveria ter recebido 40% do valor pago pelo Barcelona ao Santos pelos direitos federativos do atleta quando de sua transferência.

O fundo afirma que recebeu essa porcentagem, mas em relação apenas aos 17,1 milhões de euros que o clube catalão afirma ter pago pelo brasileiro, quando a contratação lhe custou na verdade, segundo as investigações realizadas pela Audiência Nacional em outra causa, um total de 83,3 milhões de euros.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS