Brasil disputa a Copa América de olho na Olimpíada

Dunga pensa mais nos Jogos de Rio, que podem salvar seu emprego, do que no torneio nos EUA. Estreia é hoje contra o Equador

Dunga no jogo contra Uruguai em março.
Dunga no jogo contra Uruguai em março.

A seleção brasileira está nos EUA para a disputa da Copa América já preocupada com a Olimpíada do Rio. A estreia é neste sábado, às 23h, contra o Equador. Pressionado após resultados ruins nas eliminatórias, o técnico Dunga sabe que somente o título nos Jogos do Rio poderá estender seu trabalho até a Copa do Mundo de 2018. O fiasco do Brasil na Copa do Mundo de 2014 transformou a medalha de ouro em prioridade, já que esta é a única conquista que o país ainda não tem no futebol. Qualquer resultado diferente deve acelerar a chegada de outro treinador. Não é para menos que Neymar, liberado pelo Barcelona apenas para um competição, foi 'guardado' para o Rio de Janeiro.

Dunga nega publicamente, mas tem consciência de que seu futuro depende muito mais dos Jogos Olímpicos do que da Copa América. Tanto é que a preocupação com a Olimpíada fez o técnico mudar seu estilo de trabalho. Em vez de apostar em jogadores veteranos para ganhar a Copa América, como sempre fez, resolveu convocar sete atletas com idade olímpica para a seleção principal que está nos EUA: o goleiro Ederson, do Benfica (cortado por contusão), os zagueiros Rodrigo Caio, do São Paulo, e Marquinhos, do PSG, o lateral direito Fabinho, do Mônaco, o lateral esquerdo Douglas Santos, do Atlético-MG, o meia Rafinha, do Barcelona (também cortado por contusão), e o atacante Gabriel, do Santos, são também nomes certos na Olimpíada. O volante Wallace, do Grêmio, foi convocado para o lugar de Luiz Gustavo e também deve estar no grupo olímpico. À exceção de Rafinha e Marquinhos, todos os outros não vinham sendo chamados por Dunga, o que mostra que o treinador quer usar a Copa América para dar experiência ao jovem grupo de atletas com menos de 23 anos.

A vitória por 2 a 0 sobre o Panamá, no domingo, mostrou o caminho da preparação brasileira para a Olimpíada. Douglas Santos começou a partida no lugar de Filipe Luís, que estava fora para jogar a final da Champions League pelo Atlético de Madri. Entraram no meio do jogo Fabinho, Rodrigo Caio e Gabriel, o mais jovem do grupo, com 19 anos, que marcou o segundo gol do Brasil e foi elogiado por Dunga “Ele joga nas três funções da frente e podemos aproveitar, dependendo do jogo. É um jogador que tem velocidade, facilidade do drible. Tentamos aproveitar como ele joga no Santos”.

O treinador aprovou também as entradas dos outros garotos, e indicou que alguns deles têm condições de ganhar a vaga no time titular durante a Copa América. “Acho que o leque se abriu mais. Trouxemos novos jogadores e eles corresponderam”. Porém, na estreia do Brasil contra o Equador, no sábado, a equipe deve entrar em campo ainda sem os garotos olímpicos, que devem ser aproveitados durante a partida. A seleção deve entar em campo com Alisson; Daniel Alves, Gil, Miranda e Filipe Luís; Casemiro, Elias, Renato Augusto, Philippe Coutinho e Willian; Jonas.