COPA AMÉRICA

Brasil disputa a Copa América de olho na Olimpíada

Dunga pensa mais nos Jogos de Rio, que podem salvar seu emprego, do que no torneio nos EUA. Estreia é hoje contra o Equador

Dunga no jogo contra Uruguai em março.
Dunga no jogo contra Uruguai em março.REUTERS

A seleção brasileira está nos EUA para a disputa da Copa América já preocupada com a Olimpíada do Rio. A estreia é neste sábado, às 23h, contra o Equador. Pressionado após resultados ruins nas eliminatórias, o técnico Dunga sabe que somente o título nos Jogos do Rio poderá estender seu trabalho até a Copa do Mundo de 2018. O fiasco do Brasil na Copa do Mundo de 2014 transformou a medalha de ouro em prioridade, já que esta é a única conquista que o país ainda não tem no futebol. Qualquer resultado diferente deve acelerar a chegada de outro treinador. Não é para menos que Neymar, liberado pelo Barcelona apenas para um competição, foi 'guardado' para o Rio de Janeiro.

Mais informações

Dunga nega publicamente, mas tem consciência de que seu futuro depende muito mais dos Jogos Olímpicos do que da Copa América. Tanto é que a preocupação com a Olimpíada fez o técnico mudar seu estilo de trabalho. Em vez de apostar em jogadores veteranos para ganhar a Copa América, como sempre fez, resolveu convocar sete atletas com idade olímpica para a seleção principal que está nos EUA: o goleiro Ederson, do Benfica (cortado por contusão), os zagueiros Rodrigo Caio, do São Paulo, e Marquinhos, do PSG, o lateral direito Fabinho, do Mônaco, o lateral esquerdo Douglas Santos, do Atlético-MG, o meia Rafinha, do Barcelona (também cortado por contusão), e o atacante Gabriel, do Santos, são também nomes certos na Olimpíada. O volante Wallace, do Grêmio, foi convocado para o lugar de Luiz Gustavo e também deve estar no grupo olímpico. À exceção de Rafinha e Marquinhos, todos os outros não vinham sendo chamados por Dunga, o que mostra que o treinador quer usar a Copa América para dar experiência ao jovem grupo de atletas com menos de 23 anos.

A vitória por 2 a 0 sobre o Panamá, no domingo, mostrou o caminho da preparação brasileira para a Olimpíada. Douglas Santos começou a partida no lugar de Filipe Luís, que estava fora para jogar a final da Champions League pelo Atlético de Madri. Entraram no meio do jogo Fabinho, Rodrigo Caio e Gabriel, o mais jovem do grupo, com 19 anos, que marcou o segundo gol do Brasil e foi elogiado por Dunga “Ele joga nas três funções da frente e podemos aproveitar, dependendo do jogo. É um jogador que tem velocidade, facilidade do drible. Tentamos aproveitar como ele joga no Santos”.

O treinador aprovou também as entradas dos outros garotos, e indicou que alguns deles têm condições de ganhar a vaga no time titular durante a Copa América. “Acho que o leque se abriu mais. Trouxemos novos jogadores e eles corresponderam”. Porém, na estreia do Brasil contra o Equador, no sábado, a equipe deve entrar em campo ainda sem os garotos olímpicos, que devem ser aproveitados durante a partida. A seleção deve entar em campo com Alisson; Daniel Alves, Gil, Miranda e Filipe Luís; Casemiro, Elias, Renato Augusto, Philippe Coutinho e Willian; Jonas.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete