“Políticos jogam xadrez, enquanto o povo joga dama”

A socióloga Fátima Pacheco Jordão alerta para o descolamento entre a política e as ruas no Brasil

Fátima Pacheco Jordão.
Fátima Pacheco Jordão.Reprodução (Ag. Patrícia Galvão)
Mais informações

A opinião é da socióloga Fátima Pacheco Jordão, para quem, sobre o mesmo tabuleiro, “os políticos tradicionais brasileiros jogam xadrez, enquanto a população joga dama”. Os primeiros são frequentemente os corruptos que dão golpes no peito ao dizer que combatem a corrupção. Do outro lado, estão “as pessoas comuns, que ocupam as ruas do país desde junho de 2013, exigindo demandas básicas que a classe política simplesmente não ouve e das quais não fala”, afirma a fundadora e conselheira do Instituto Patrícia Galvão.

Para a especialista, “menos de um terço da população acompanha a política partidária” e entende o raio de uma operação judicial como a Lava Jato, ainda que celebrem seu movimento anticorrupção. "O problema é que os problemas continuam", já que figuras como Sarney, Renan e companhia “não conseguem entender como uma diferença de vinte centavos pode resultar em passeatas de um milhão”, acredita.

Ainda que o processo desperte ânsias por mudança, o cientista político Pedro Floriano Ribeiro alerta, contudo, para o fato de que “renovação não é necessariamente algo virtuoso”: “Os índices de renovação do Congresso não são baixos, e nas últimas duas décadas tivemos uma transformação no perfil dos parlamentares, de uma fisionomia mais bacharelesca para outra mais popular. “Um deputado pastor e que defende posturas retrógradas, por exemplo, é representante de setores populares do eleitorado”, explica o professor da Universidade Federal de São Carlos, que atua como professor visitante na Universidade de Cambridge.

Fátima explica que, desde os anos 90, o país vê funcionar um Código de Defesa do Consumidor que educou os brasileiros a exigir direitos do cliente e que avançou mais do que a compreensão do Estado sobre os direitos do cidadão. “A população sabe muito bem o que quer, porque aprendeu com o próprio mercado que o que é pago tem que ter retorno. Quem paga impostos e quer ter suas necessidades básicas atendidas”, diz.

O cenário é de anomia, em que as referências estão perdidas, e as regras, a depender do ponto de vista, se tornam elásticas. A política tradicional transmite “apenas decepção e falta de credibilidade”. “Por isso, novas lideranças de direita que ligam seus carros de som na Avenida Paulista são aplaudidas. O discurso que apresentam é de organização, mas o que as pessoas não percebem é que, atrás dele, há um quadro de trevas, um apelo ao autoritarismo”, finaliza.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: