Anthony Kiedis, vocalista do Red Hot Chili Peppers, é hospitalizado

A banda suspende o show de apresentação de seu novo trabalho em Los Angeles pouco antes do início

Anthony Kiedisen. S.S. (Reuters) / Quality (reuters_live)
Agências|El País
Los Ángeles / Madri - 16 may 2016 - 20:48 UTC

Mais informações

Na noite de sábado, o grupo Red Hot Chili Peppers teve de cancelar um show que estava prestes a começar em Los Angeles (Califórnia) depois que o cantor Anthony Kiedis, de 53 anos, foi levado às pressas ao hospital com fortes dores abdominais, informa a CNN. A banda iria apresentar um novo trabalho no festival Weenie Roast, organizado pela popular estação de rádio KROQ, de Los Angeles.

O cancelamento foi comunicado ao vivo pelos próprios integrantes do Red Hot Chili Peppers no palco do Irvine Meadows Amphitheatre, minutos antes do início do show. “Anthony está a caminho do hospital neste momento”, disse Flea, o baixista. “Vamos tocar para vocês muito em breve e o faremos como animais selvagens cheios de amor que somos”, acrescentou.

“Ninguém fica mais desapontado do que nós por não poder tocar esta noite. Envio amor e desejos de uma rápida recuperação ao meu irmão Anthony”, escreveu Chad Smith, o baterista do grupo, no Twitter.

A banda anunciou na quinta-feira a publicação do seu décimo-primeiro álbum de estúdio, The Getaway, que chegará às lojas em 17 de junho, do qual já se conhece o primeiro single, a canção Dark Necessities. Como informou a Warner Music, Dark Necessities foi lançada nas rádios de todo o mundo e está disponível em todas as plataformas digitais para download e streaming.

O álbum marca o retorno da banda norte-americana depois de cinco anos do lançamento do disco anterior, I’m With You, que em 2011 ocupou o topo das paradas de sucesso em dezoito países. O Red Hot Chili Peppers já vendeu mais de 60 milhões de discos, ganhou seis Grammys e tocou no intervalo do último Super Bowl.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete