VERNE

Descubra no IBGE se seu nome saiu de moda no Brasil ou está na crista da onda

Ferramenta do IBGE com base no Censo de 2010 conta a ascensão e queda de nomes no Brasil

O dado curioso faz parte do levantamento inédito que o IBGE publicou nesta quarta-feira, com base no Censo de 2010. O instituto registrou 130.348 nomes diferentes na população, 63.456 masculinos e 72.814 femininos. Não há surpresas entre os campeões: Maria, com 11,7 milhões, e José, com 5,7 milhões, são os recordistas. Provavelmente não é uma coincidência que o casal mais emblemático do cristianismo esteja tão bem representado num país como o Brasil.

Mais informações

O mais interessante (e viciante) é o que o IBGE disponibilizou, no site dedicado ao projeto "Nomes do Brasil", uma ferramenta (clique aqui) onde todo mundo pode ver a evolução da popularidade de seu nome através do tempo. Você se chama como se chama por uma idiossincrasia do seus pais ou apenas por mais um modismo de época?

Comentários? Participe pelo Facebook

O caso de Dara não é isolado. Cauã passou de 2.069 pessoas na década de 90 para 83.253 na década passada, com o estrelato do ator Cauã Reymond. É possível saber que Estado da federação tem predileção por seu nome. No caso de Cauã, é o Rio de Janeiro.

O levantamento por décadas também mostra a ascensão e queda de alguns nomes. É o caso de Raimunda.

Também mostra que, se você se chama Flávia, por exemplo, o mais provável é que encontre por aí muito mais pessoas na casa dos 30 anos do que crianças se chamando assim. O nome, ao lado de André, era muito mais popular nos anos 80 do que é hoje. Ou seja, Flávia, você não está mais na moda.

O IBGE também permite também que você veja as variantes de um nome no Brasil: Carolina, Karulina, Caralina. Mas, se você imagina que seus pais foram criativos demais na hora de escolher seu nome, a ferramenta pode te frustrar. O "Nomes do Brasil" avisa que só nomes com mais 20 ocorrências foram contabilizados. Boa sorte!