Harriet Tubman substituirá Andrew Jackson na nota de 20 dólares

Em 2020, o rosto da abolicionista que libertou centenas de pessoas da escravidão aparecerá na nota

Montagem de um cédula de 20 dólares com o retrato de Harriet Tubman, realizado pela campanha Women on 20’s. EL PAÍS VÍDEO

O dólar norte-americano se atualiza com a figura de uma mulher, e uma mulher negra, que foi escravizada e se tornou uma importante abolicionista nos Estados Unidos. Anos de ativismo para que a moeda mais famosa do mundo tivesse um rosto feminino em alguma de suas cédulas forçaram o Tesouro a anunciar, na quarta-feira, que a honra caberia a Harriet Tubman, mulher que escapou da escravidão no Sul e ajudou muitos outros a fazerem o mesmo, arriscando sua própria vida ao voltar à região.

Tubman desaloja da nota de 20 dólares o presidente Andrew Jackson, o que não carece de justiça poética, considerando que o sétimo mandatário dos Estados Unidos se manifestou contra o papel-moeda. Durante algum tempo, a espada pendeu sobre a cabeça de um dos pais fundadores, Alexander Hamilton, que também foi o primeiro secretário do Tesouro.

Mais informações

Evidentemente isso foi antes de um rap e um musical da Broadway transformarem Hamilton em objeto de culto para todos os públicos. De repente, Hamilton está na moda, todo mundo gosta dele, cria oferta e procura. Ainda por cima, Lin-Manuel Miranda, compositor e ator do musical Hamilton, é a partir desta semana digno merecedor do Pulitzer de melhor peça teatral.

Cédula de Hamilton terá mulheres

As novas cédulas só serão divulgadas em 2020, ano do centenário do direito a voto das mulheres nos Estados Unidos

Resumindo: sai Jackson e fica Hamilton, mas este último deverá conviver, na cédula de 10 dólares, com o rosto de cinco mulheres proeminentes da história dos Estados Unidos de maneira ainda a definir. Hamilton estará na frente da nota; as cinco mulheres, no verso. Pouco a pouco.

As novas cédulas só serão divulgadas em 2020, ano do centenário do direito a voto das mulheres nos Estados Unidos e da entrada em vigor da Décima Nona Emenda, que estipula que nem os estados da União nem o governo federal podem negar a um cidadão o direito de voto por causa de seu sexo.

E pode ser que, em 2020, uma mulher esteja tentando, pela primeira vez, renovar seu mandato à frente da Casa Branca, o que significaria que Hillary Clinton teria feito história neste ano.

Woman on 20’s

Desde 1929 nenhuma mudança foi feita na moeda norte-americana. A plataforma Women on 20's (Mulheres nas cédulas de vinte), promotora da iniciativa para que uma mulher figure no papel-moeda dos Estados Unidos, comemorou a decisão do Tesouro. Suas fundadoras se sentem reivindicadas, embora não satisfeitas com o fato de rostos femininos terem de dividir espaço com o de Hamilton.

A Women on 20's foi criada pela empreiteira Barbara Ortiz Howard e pela jornalista Susan Ades Stone contra o tratamento desigual em relação às mulheres. Sua missão foi convencer o presidente Barack Obama de que tinha chegado “a hora de colocar o rosto de uma mulher no papel-moeda”. Substituir um dos homens que figuram nas cédulas não requeria um longo e complicado processo no Congresso (como é de praxe em outros assuntos). Bastava a aprovação do presidente. Depois que Obama deu luz verde, o caminho estava aberto e só faltava saber quem seria a afortunada.

No ano passado, coincidindo com o Dia das Mães, foi divulgado o resultado da consulta popular através da página criada para escolher a ganhadora. Eram mais de 15 candidatas, entre as quais se encontravam Rosa Parks, Eleanor Roosevelt, Betty Friedan, Patsy Mink, Frances Perkins…, a finalista foi Harriet Tubman. Em segundo lugar ficou Roosevelt e em terceiro Parks.

Em quarto ficou Wilma Mankiller, primeira mulher escolhida nas urnas como chefe da nação Cherokee, falecida em 2010. Finalmente, Mankiller não estará na nota de 20, hoje ocupada por Jackson, o homem que fez a Nação Cherokee percorrer a Trilha das Lágrimas (Trail of Tears) depois de assinar o decreto que expulsava os índios de seus territórios. Como roteiro de cinema teria sido perfeito.