Seleccione Edição
Login

Petrobras tem pior prejuízo da história com crise e queda do barril

Em balanço, Petrobras registra prejuízo de 34,8 bilhões em 2015, mas comemora fluxo de caixa positivo

Balanço da Petrobras
Construção de uma plataforma de Petrobras no Rio de Janeiro. AP

A estatal brasileira Petrobras, foco do maior escândalo de corrupção do país, admitiu nesta segunda-feira perdas recordes no exercício de 2015 e anunciou um prejuízo de 34,8 bilhões de reais no ano. O balanço, surpreendente para os analistas, é ainda pior do que o de 2014, quando registrou uma perda de 21,6 bilhões de reais depois de admitir que a corrupção havia deixado um buraco em seus cofres de 6,2 bilhões de reais. O resultado é o pior já registrado em um ano por uma empresa, pública ou privada, no Brasil.

A empresa, que prevê a retomada de uma situação sólida somente daqui a cinco anos, atribui os resultados ruins principalmente à queda do preço médio do barril de Brent, referência internacional para os operadores no mercado de petróleo, que passou de 98,99 dólares em 2014 para 52,4 dólares em 2015. A queda afetou petroleiras no mundo inteiro, em especial as latino-americanas. A abrupta desvalorização do real –48,3%-- em relação ao dólar, moeda em que a empresa tem a maior parte de sua dívida bilionária, fez com que o cenário se deteriorasse ainda mais. A Petrobras sofreu também as consequências da decisão das três principais agências de risco, que, a partir de setembro de 2015, rebaixaram o grau de investimento do Brasil. Desde então, a empresa vem pagando mais para captar financiamento no mercado para empreender ou dar continuidade aos seus projetos.

Apesar de não ter condições de pagar dividendos a seus acionistas nem bonificações a seus funcionários, a direção da Petrobras procurou demonstrar algum otimismo ao apresentar seus números. Os resultados foram divulgados em plena execução de um plano desinvestimento de 98,4 bilhões de dólares para o período 2015-2019. A bilionária venda de ativos tem como objetivo reduzir sua dívida, que é seu calcanhar de Aquiles, gerar mais liquidez no caixa e enfrentar a crise em que a empresa está afundada. Questionado sobre o impacto da crise política, que deixa o país paralisado, nesses planos, o presidente da companhia, Aldemir Bendine, respondeu negativamente. “[A crise política] não influencia quando você tem um ativo que é do interesse do investidor. O que o investidor não gosta é de ruptura de contratos. Não acredito que a crise tenha impacto. Pode atrasar [as operações], talvez, do ponto de vista da negociação”, disse o executivo.

Bendine, que assumiu a direção da empresa em fevereiro de 2015 e apresentou nesta segunda-feira o primeiro balanço anual sob sua gestão, afirmou que a companhia demonstra “mais uma vez a sua transparência em relação ao resgate de sua credibilidade”. Segundo ele, “o resultado gerencial foi muito bom, pois, depois de sete anos, a empresa registrou um fluxo de caixa positivo, reduziu as despesas administrativas e diminuiu a dívida líquida em dólares”.

Números positivos depois de oito anos

O fluxo de caixa a que se referiu o presidente - o dinheiro disponível para amortizações - foi positivo pela primeira vez em oito anos, graças ao corte de investimentos e à redução de despesas. Além disso, a Petrobras teve uma receita superior às despesas de 15,6 bilhões de reais. “Uma empresa com fluxo de caixa positivo tem condições de amortizar a dívida”, disse o seu presidente.

O EBITDA --receitas sem descontar juros, impostos, amortizações e depreciação-- foi 25% superior ao de 2014, passando de 59,1 bilhões de reais para 73,9 bilhões de reais. A dívida em dólares caiu cerca de 5%, passando de 106,2 bilhões de dólares em 2014 para 100,4 bilhões em 2015. Entre as notícias positivas, a empresa destaca um recorde na extração do pré-sal, petróleo encontrado nas camadas mais profundas do oceano e que garante um quarto da produção da companhia. O número de barris extraídos por dia foi 4% superior ao de 2014, atingindo a meta de 2.787 barris por dia.

Perdas por corrupção

Por causa da Operação Lava Jato, que investiga uma gigantesca rede integrada por seus diretores, empresários e políticos, a Petrobras ainda espera recuperar parte do dinheiro desviado de seus cofres. A empresa admitiu oficialmente ter perdido 6,2 bilhões de reais como produto da corrupção e que recuperou apenas 300 milhões. A expectativa é de que a homologação de novas ações judiciais em curso lhe permita recuperar mais perdas.

Enquanto isso, a companhia abriu uma nova investigação interna para apurar uma série de denúncias anônimas que acusam o departamento de Recursos Humanos de ter gerado um prejuízo de 40 bilhões de reais. Se essas denúncias se confirmarem, os gestores teriam assinado acordos para solucionar conflitos trabalhistas aumentando as indenizações, entre 2006 e dezembro de 2014, em cerca de 2.300%, segundo o jornal Valor econômico. As despesas da empresa, neste item, passaram de 500 milhões de reais a 12,3 bilhões nesse período.

MAIS INFORMAÇÕES