Trump vence na Carolina do Sul e se fortalece como favorito republicano

Resultados das primárias já realizadas mostram que o magnata é um fenômeno político

Donald Trump, após a vitória, na Carolina do Sul.
Donald Trump, após a vitória, na Carolina do Sul.Paul Sancya (AP)
Mais informações

O bilionário Donald Trump venceu as eleições primárias deste sábado na Carolina do Sul, terceira etapa da corrida que resultará na indicação do candidato do Partido Republicano para a eleição presidencial de novembro. A vitória do magnata imobiliário, com uma cômoda vantagem, reforça seu favoritismo no campo conservador.

Semana após semana, Trump mostra que seu fenômeno – sedimentado sobre a sua retórica populista e o cansaço da opinião pública republicana com o establishment político – não é frágil nem passageiro. Depois de ficar em segundo lugar no caucus (assembleia eleitoral) de Iowa e de vencer as primárias de New Hampshire, a nova vitória do empresário nova-iorquino, sem experiência política, revela a transversalidade do seu espectro de eleitores.

“É bonito quando a gente ganha. E vamos começar a ganhar pelo nosso país”, disse Trump aos seus seguidores após o anúncio do resultado.

A Carolina do Sul é o primeiro Estado sulista a escolher os candidatos de cada partido, e por isso é visto como um termômetro. Desde 1980, só em uma ocasião o candidato que venceu as primárias republicanas daqui não confirmou posteriormente a indicação republicana. E os resultados deste Estado podem antecipar o futuro apoio a um aspirante nesta região, pois 7 dos 12 Estados que votam na chamada superterça, em 1º. de março, ficam no Sul dos EUA.

Com 99% dos votos apurados, Trump somava 32,5% das preferências, seguido pelos senadores Marco Rubio (22,5%) e Ted Cruz (22,3%), virtualmente empatados. A muita distância, em quarto lugar, vinha Jeb Bush, ex-governador da Flórida (7,8%). Diante do mau resultado, Bush, filho e irmão de ex-presidentes, anunciou em um hotel de Columbia, a capital da Carolina do Sul, que suspenderia sua campanha.

Corrida a três

Os resultados consolidam a percepção de que há apenas três candidatos viáveis na corrida republicana: Trump, Cruz e Rubio.

Cruz venceu em Iowa e, como Trump, articula um discurso insurgente, que apela às bases mais conservadoras do partido, especialmente o eleitorado cristão. Após conhecer os resultados, o senador texano enfatizou ser o único candidato que “ganhou e pode ganhar de Donald Trump”. O grande desafio de Cruz, que tem fama de intransigente, será ampliar seu leque de eleitores depois da superterça, quando votam Estados menos religiosos.

O bom resultado de Rubio – depois de ficar em quinto lugar em New Hampshire – fortalece sua ambição de se consolidar como o candidato do establishment moderado, cada vez mais inquieto com o inesperado sucesso do outsider Trump. Com a desistência de Bush, o senador da Flórida se livra de um concorrente importante, já que o ex-governador, que foi seu mentor político, era inicialmente o favorito do establishment.

“Esta se transformou numa corrida entre três pessoas, e vamos ganhar a indicação”, disse Rubio. O parlamentar, de origem cubana, obteve um resultado melhor de que as pesquisa previam. Um possível motivo para isso foi o apoio que recebeu na quarta-feira da governadora da Carolina do Sul, Nikki Haley, de origem indiana e, assim como Rubio, um dos rostos jovens e etnicamente diversos do Partido Republicano.

Mas, diferentemente de Trump e Cruz, Rubio não venceu nenhuma das três primárias já disputadas.

Há pouco tempo para a reflexão. Na terça-feira, terá lugar o caucus republicano de Nevada, no oeste do país. Lá, Trump também lidera as pesquisas.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: