Seleccione Edição
Login

Morre Umberto Eco

O escritor e filósofo italiano faleceu aos 84 anos, segundo informa o jornal 'La Repubblica'

Umberto Eco.
Umberto Eco.

Aos 84 anos, sem nunca perder a curiosidade crítica, morreu nesta sexta-feira em Milão o escritor, filósofo e semiólogo italiano Umberto Eco. A notícia foi comunicada ao jornal italiano La Repubbllica pela família. O autor de obras essenciais, tais como O Nome da Rosa, de 1980, ou Pêndulo de Foucault, de 1988, nasceu em Alessandria, norte da Itália, em 5 de janeiro de 1932. A última das obras de sua prolífica carreira como autor de romances de sucesso e ensaios de semiótica, estética medieval ou filosofia, foi Número Zero, um olhar crítico do grande conhecedor da comunicação sobre a crise do jornalismo, que, alertou, começou "nos anos cinquenta e sessenta, quando a televisão chegou."

“Até então”, disse ele em uma entrevista para o jornalista Juan Cruz publicada pelo EL PAÍS, “o jornal contava às pessoas o que havia acontecido na tarde anterior, por isso muitos se chamavam jornais vespertinos: Corriere della Sera, Le Soir, La Tarde, Evening Standard ... Desde a invenção da televisão, o jornal da manhã diz o que as pessoas já sabem. E agora é a mesma coisa. O que deve fazer um jornal? ". Essa era a dúvida –a curiosidade vestida de pessimismo– que o levou a publicar seu último livro e a manter os olhos abertos para tudo o que acontecia ao seu redor.

Ao divulgar a notícia da morte de Eco –poucas vezes a expressão Itália está de luto teve tanto sentido–, o jornal La Repubblica colocou em seu site uma manchete que resume muito bem a personalidade de Eco e o respeito, quase unânime, que despertava na Itália: "Morre Umberto Eco, o homem que sabia de tudo." Como destacava o jornal Corriere della Sera, Eco foi uma presença constante e essencial da vida cultural italiana do último meio século, mas a sua fama, em todo o mundo, ocorreu devido ao extraordinário sucesso de O Nome da Rosa, um best-seller traduzido em todo o mundo e que teve milhões de cópias vendidas. "Recorrer a vida e a carreira de Umberto Eco", explica o jornal de Milão, "também significa reconstruir uma parte importante da nossa história cultural."

Eco era doutor em filosofia pela Universidade de Turim e trabalhou em programas culturais da RAI, empresa estatal de TV e rádio Italiana, desde 1954. Durante os primeiros anos da década de 1960, trabalhou como professor associado de estética na Universidade de Turim e Milão.

Ele participou do chamado "Grupo 63", que publicava ensaios sobre arte contemporânea, cultura popular e mídia. Estas obras são conhecidas como Apocalípticos e Integrados, de 1965.

Eco também foi durante anos professor de filosofia na Universidade de Bolonha, onde lançou a Escola de Estudos Humanísticos, conhecida como o "superescola '. A iniciativa tem como objetivo divulgar a cultura internacional e é destinada a graduados com um alto nível de conhecimento. Ele também foi fundador e secretário da Associação Internacional de Semiótica.

Em seu currículo também estão inclusas outras distinções que o endossam como um escritor de renome e semiólogo. É doutor honoris causa em cerca de vinte universidades em todo o mundo e tem prêmios de prestígio, incluindo a Legião de Honra da França.

Em 1998, ele também se tornou um membro da Fundação Academia Europeia de Yuste e membro do Fórum de Anciãos da Unesco. Seus trabalhos mais recentes são Baudolino, 2000; A Misteriosa Chama da Rainha Loana, de 2004; O Cemitério de Praga, 2010; e Número Zero, que foi publicado em 2015.

MAIS INFORMAÇÕES