Jogos Olímpicos 2016

Agência Mundial Anti-Doping coloca o Brasil na corda bamba

Anfitrião da Olimpíada pode perder seu certificado para realizar exames antidopagem

As mascotes olímpicas desfilaram no sambódromo durante o Carnaval, no Rio.
As mascotes olímpicas desfilaram no sambódromo durante o Carnaval, no Rio. VANDERLEI ALMEIDA / AFP

A Agência Mundial de Anti-Doping (AMA) deu um ultimato ao Brasil para que adapte os protocolos da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem às exigências do Código Mundial, definido pela própria AMA. O aviso foi enviado em novembro, depois que o órgão incluiu o Brasil – assim como Bélgica, França, Grécia, México e Espanha – no que chama de “lista de vigilância”. Se as autoridades brasileiras não conseguirem adaptar suas normas aos padrões internacionais antes de 18 de março, o Brasil perderá automaticamente seu certificado para realizar os testes antidoping em seu laboratório durante os Jogos Olímpicos, que serão realizados de 5 a 21 de agosto no Rio de Janeiro.

No caso de perder sua idoneidade, as amostras dos esportistas terão de ser enviadas e analisadas em um laboratório aprovado pela AMA em outro país. Há vários que cumprem as exigências internacionais, incluindo o de Bogotá, na Colômbia; Havana, em Cuba; Montreal, no Canadá; e Los Angeles e Salt Lake City, nos EUA.

Mais informações

As autoridades brasileiras se reuniram recentemente com representantes da AMA para discutir a implementação do Código por parte da Autoridade Brasileira em conformidade com o sistema legal do país, confirmou um porta-voz da agência antidopagem, com sede em Montreal. Nem o Ministério do Esporte do Brasil nem a AMA entraram em detalhes, porém, sobre que tipo de mudança tem de ser implementada e quais são os procedimentos que não se ajustam aos protocolos internacionais. O Ministério do Esporte afirmou, no entanto, que a informação solicitada “não procede” porque o Brasil “está tomando todas as previdências para adaptar-se às exigências no prazo estabelecido”.

Esta não seria a primeira vez que o Brasil perderia sua acreditação no mundo da antidopagem. Em 2013, o país saiu da lista internacional porque a AMA considerou que a tecnologia do laboratório brasileiro estava defasada e não podia cumprir os padrões exigidos. Durante a Copa do Mundo de 2014 as amostras tiveram de ser enviadas à Suíça, uma alternativa lenta e cara. O Governo brasileiro começou então um grande esforço para voltar a ser reconhecido pela entidade e investiu 188 milhões de reais para construir e equipar o Laboratório Brasileiro de Controle de Dopagem (LBCD), no Rio, e conseguir assim sua reincorporação em maio de 2014. Na época, a diretora da AMA na América Latina e Caribe, María José Pesce, advertiu que para manter o certificado a supervisão da entidade brasileira seria constante e que, entre outras coisas, o laboratório teria que realizar um mínimo de 3.000 análises por ano, além de controlar a qualidade de seus processos. “Os atletas necessitam ter a garantia de que as amostras analisadas no LBCD seguem os padrões internacionais da AMA”, disse Pesce.

O descumprimento dos prazos e a posterior suspensão do Brasil representariam um duro golpe em uma das principais promessas olímpicas. Uma das exigências para que o país pudesse organizar os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, em agosto e setembro deste ano, foi precisamente a criação da organização antidopagem, fundada em 2011, assim como a melhoria e ampliação de seu laboratório.

A AMA suspendeu em novembro a Agência Rússia Antidopagem por não cumprir com suas regras, em uma decisão tomada a menos de duas semanas de uma comissão independente publicar uma extensa trama de uso de substâncias proibidas e de ocultamento de resultados positivos. A decisão pressupôs que a Rússia não pudesse organizar eventos esportivos internacionais.

“Zika vírus não compromete os Jogos Olímpicos”

A corrida contra o relógio para contentar a entidade internacional antidopagem se soma à batalha que o Brasil iniciou contra o mosquito Aedes aegypti, transmissor do zika, um vírus que tem o país como epicentro e que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar um alerta mundial.

Assim como alguns esportistas olímpicos já manifestaram seu medo de viajar ao Brasil para as Olimpíadas e correr o risco de contrair o vírus, também há especialistas em saúde pública que consideram que o país deveria suspender ou adiar os Jogos Olímpicos por “responsabilidade”, evitando assim a proliferação do zika vírus em mais nações. Porém, a presidenta Dilma Rousseff descartou a hipótese de qualquer cenário no qual o país não seja o anfitrião do evento assim como o vírus comprometer a celebração. “Teremos Jogos Olímpicos e trabalhamos para isso com uma ação dirigida contra o vírus”, disse no sábado, quando 220.000 militares, 60% das Forças Armadas do país, saíram à rua para conscientizar a população sobre a necessidade de evitar a proliferação do mosquito.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete