Papa Francisco

As confidências do papa Francisco aos jornalistas a 11.000 metros de altura

Acompanhado de 76 jornalistas, ele viaja a Cuba para um histórico encontro com o líder da Igreja ortodoxa russa

No avião, o papa Francisco brinca com o chapéu mexicano que ganhou de uma jornalista.
No avião, o papa Francisco brinca com o chapéu mexicano que ganhou de uma jornalista. (REUTERS)

MAIS INFORMAÇÕES

Quando pequeno, Noel Díaz trabalhava como engraxate nas ruas de Tijuana (México) para ajudar sua mãe, solteira. Não foram tempos fáceis, mas juntos eles conseguiram cruzar a fronteira com os Estados Unidos e se instalar em Los Angeles, onde ele hoje ganha a vida fabricando lentes e dirigindo uma emissora católica de rádio e TV chamada El Sembrador (“o semeador”). Na sexta-feira, uma hora depois de o voo do papa Francisco decolar de Roma com destino a Cuba e México, Noel Díaz contou sua história a Jorge Mario Bergoglio e lhe pediu que, em homenagem “a tantas pessoas que lutavam para levar o pão para casa”, lhe permitisse limpar seus surrados sapatos pretos. O Papa lhe disse que sim, e, a 11.000 metros sobre o nível do mar, num assento de um Airbus 330 da Alitália e perante o olhar de 76 jornalistas do mundo todo, ele passou a mão numa escova e num pano e voltou a ser o pequeno engraxate das ruas de Tijuana.

Já é costume que, uma hora depois de partir de Roma, o papa Francisco se aproxime da parte traseira do avião e dirija aos jornalistas algumas palavras de agradecimento por seu trabalho e votos de boa viagem. Depois, acompanhado do médico Alberto Gasbarri, que nesta sexta-feira fazia sua última viagem após 37 anos escoltando pontífices longe do Vaticano, passeia pelo avião cumprimentando um por um os jornalistas, a quem distribui apertos de mão, eventuais confidências, uma brincadeira ou – sim, também sobre o oceano – a inevitável pose para o selfie. Os jornalistas que cobrem as viagens pontifícias ao exterior, seja de forma habitual ou esporádica, continuam surpresos com o interesse de Bergoglio por cada história que ele ouve, seja de caráter pessoal ou profissional, com o entusiasmo que ele demonstra por cada presente recebido e com sua tolerância às eventuais impertinências – que também existem.

Durante o voo para Havana, onde estava programado um histórico encontro com o patriarca russo Kirill, Bergoglio também recebeu presentes de alguns jornalistas. Houve quem lhe desse um grande sombrero mexicano, quem optasse por um tênis cinza tamanho 43, “para que passeie à vontade no México”, e quem o abastecesse de café colombiano para relembrá-lo de sua promessa de visitar em breve esse país que luta para deixar para trás um longo e sangrento pesadelo. “Estou disposto a cumprir minha palavra”, confirmou o Papa. “Se as negociações [de paz entre guerrilha e Governo] se fortalecerem, prometo que em 2017 irei à Colômbia”, comentou o pontífice. Especula-se que essa viagem, se ocorrer, se dará ainda no primeiro semestre.

Em uma breve fala aos jornalistas, o Papa afirmou se sentir especialmente emocionado “pelo encontro com Kirill e pelos mexicanos”. Rindo com gosto, contou que, na quarta-feira passada, ao final de uma audiência, a jornalista mexicana Valentina Alazraki lhe deu de presente um lote completo dos filmes de Cantinflas. “Isso me fez entrar no México pelo túnel do tempo”, acrescentou, “que é também a porta do Cantinflas, que faz rir bem”. O Papa afirmou também que seu “desejo mais íntimo” é prostrar-se diante da virgem de Guadalupe, a padroeira mexicana, “porque há um mistério que nem a ciência pode responder: até os ateus mexicanos se sentem guadalupanos”. Dentro de algumas horas, após a escala em Havana, Francisco tentará instilar nos mexicanos uma dose de confiança no futuro de um país golpeado pela violência e a desigualdade.

Arquivado Em: