Caso Neymar

Neymar depõe na Audiência Nacional por fraude e corrupção

O jogador brasileiro do Barça e seu pai são acusados de irregularidades na sua contratação

Mais informações

Neymar terminou na tarde desta terça-feira, de depor Audiência Nacional, na condição de investigado por delitos de fraude e corrupção entre particulares decorrentes das irregularidades na sua contratação pelo FC Barcelona. O atacante brasileiro chegou à sede do judiciário com seu pai em um veículo blindado. O jogador respondeu às perguntas do promotor, de sua defesa e da defesa do Barça, imputado como pessoa jurídica. Neymar se recusou a responder às questões apresentadas pelo advogado do DIS, o fundo de investimentos que possuía 40% de seus direitos econômicos quando jogava no Santos e que se viu prejudicado com as supostas irregularidades da contratação.

Depois de sair do carro e autografar uma camiseta entregue por um dos aproximadamente vinte torcedores que permaneceram às portas da Audiência, o jogador percorreu rodeado por seus seguranças os cerca de 30 metros até a porta do tribunal. Sua chegada estava rodeada de uma expectativa sem precedentes na Audiência Nacional: perto de uma centena de jornalistas o aguardavam.

Nos acessos para a Audiência, tomados por agentes da Polícia Nacional uniformizados e também à paisana, alguns jovens torcedores mostravam cartazes de apoio ao esportista: “Neymar, sou teu amigo”, lia-se em um deles. Um veterano das manifestações contra a corrupção, que comparece a todas as audiências de investigados nos tribunais, portava outro cartaz, com os seguintes dizeres: “Aqui, até no futebol ganham os mais corruptos”.

DIS, o fundo que possuía 40% dos direitos econômicos do atacante brasileiro quando jogava no Santos, processou o jogador, seus pais e os diretores do Barça e do Santos, depois de ficar sabendo que em 2011 o Barça pagou 40 milhões de euros (175 milhões de reais) a Neymar para acertar sua contratação antes de 2014 (de fato, chegou em junho de 2013), quando era “agente livre”. O acordo entre Neymar e o Barça, de junho de 2011, implicava que o atacante rejeitasse todas as ofertas que lhe fossem feitas enquanto jogasse no Santos.

Além disso, no emaranhado de contratos feitos envolvendo o jogador, a negociação entre o Barcelona e o Santos teve o valor da cessão dos direitos federativos – a negociação propriamente dita – fixado em 17,1 milhões de euros (74,52 milhões de reais) sem o conhecimento do DIS. E existem dois contratos adicionais, no valor conjunto de 12,4 milhões de euros (54,04 milhões de reais), que os querelantes – e o juiz da Audiência Nacional José de la Mata – consideram que faziam parte da negociação e pelos quais o fundo de investimento DIS nunca chegou a receber os 40% a que tinha direito.

O acordo pelo qual o Barcelona pagou 40 milhões de euros (174,31 milhões de reais) a Neymar quando ainda jogava no Santos para assegurar a contratação, causou prejuízo econômico ao DIS. O juiz De la Mata é da mesma opinião: o grupo dono de parte dos direitos econômicos de Neymar “se viu privado da possibilidade de que o jogador entrasse no mercado de acordo com as regras da livre concorrência e pudesse obter um valor maior pela negociação”, segundo escreveu o juiz em junho, ao aceitar a ação do DIS. Esse pacto entre o clube catalão e o astro brasileiro pode ser um crime de corrupção entre particulares.

O segundo crime do qual são acusados os diretores do Barcelona, Neymar, seus pais, e os responsáveis do Santos, é o de calote. Os clubes, além do contrato de transmissão dos direitos federativos, assinaram outros dois contratos. O primeiro, no valor de 7,9 milhões de euros (34,43 milhões de reais), corresponde a um suposto direito de preferência do clube catalão sobre três jogadores do Santos: Victor Andrade, Givanildo Pulgas e Gabriel Barbosa. O segundo contrato, de 4,5 milhões de euros (19,61 milhões de reais), é um acordo para disputar um amistoso entre os dois clubes.

O Barcelona não chegou a exercer o direito de contar com os três jogadores e a partida amistosa não foi realizada. O juiz considera que esses dois contatos, rubricados “praticamente na mesma data” do que o de cessão dos direitos de Neymar, são “contratos simulados” que buscam esconder pagamentos pela negociação do finalista do Bola de Ouro da FIFA.

No EL PAÍS, dezenas de jornalistas trabalham para levar a você as informações apuradas com mais cuidado e para cumprir sua missão de serviço público. Se quiser apoiar nosso jornalismo e ter acesso ilimitado, pode fazê-lo aqui por 1 euro no primeiro mês e 10 euros a partir do mês seguinte, sem compromisso de permanência.

Inscreva-se

Mais informações