caso neymar

Santos pede à FIFA que Neymar seja suspenso por seis meses

O ex-time do jogador o acusa de má-fé em sua contratação pelo Barcelona

Neymar durante o jogo contra o Celta.
Neymar durante o jogo contra o Celta.MIGUEL RIOPA (AFP)

O Santos Futebol Clube, o antigo time e escola do jogador Neymar, quer que ele fique fora do campo por seis meses por ter agido de "má-fé" durante sua contratação milionária pelo Barcelona. Em um documento enviado à FIFA, o clube acusa o atacante de violar o artigo 62 do código disciplinar da entidade, que trata da entrega ou recebimento de benefícios ilegais. O Santos, que iniciou uma batalha contra Neymar quando foram divulgados os verdadeiros números de seu contrato com o Barcelona, pede a suspensão do jogador e uma indenização de 55 milhões de euros (cerca de 240 milhões de reais) para compensar o dinheiro que o jogador e seu pai receberam às custas do clube.

O Santos, como foi revelado pelo jornal O Globo, também acusa o jogador de violar o Regulamento do Estatuto e Transferência de Jogadores da FIFA (RSTP, na sigla em inglês). O clube considera, segundo o documento, que o brasileiro cancelou seu contrato sem justa causa, hipótese que o regulamento pune em seu artigo 17 com a suspensão de quatro a seis meses, dependendo dos agravantes do caso.

Desde que foi anunciada em 2013, a polêmica contratação de Neymar pelo Barcelona tem despertado muitas dúvidas sobre sua legalidade e, até o momento, o valor de transferência é ainda uma dança de números. Hoje acredita-se que o custo da operação, incluindo os impostos, teria somado quase 100 milhões de euros (438 milhões de reais) — salário à parte —, quase o dobro do que o Barcelona divulgou quando anunciou a aquisição da principal estrela do futebol brasileiro.

A suspeita de juízes, investigadores e do Santos é que, durante as negociações em 2011, o jogador, seu pai e empresário, e a diretoria do Barça cometeram fraude ao desmembrar o valor da contratação em diferentes contratos. A suposta estratégia pretendia reduzir a carga tributária e beneficiar empresas ligadas ao jogador e sua família. A investigação, iniciada há dois anos e em muitas frentes, continua em ambos os lados do Atlântico.

MAIS INFORMAÇÕES

Em 11 de setembro, um tribunal no Brasil bloqueou bens do jogador avaliados em 188,8 milhões de reais para garantir o pagamento dos impostos devidos à Receita Federal por sua transferência. A Receita acredita que o atacante sonegou impostos porque teria declarado o dinheiro recebido por sua transferência para o Barcelona como lucro de suas empresas, afirma o juiz na sentença. Segundo a Receita, Neymar também teria omitido de sua declaração de impostos valores recebidos por serviços de publicidade, direitos de imagem e outros contratos assinados com o Barcelona e outras empresas entre 2011 e 2013. Neymar nega o fato.

A Justiça espanhola também abriu sua própria frente de investigação, acusando o clube de infrações fiscais na contratação. Nesse processo, a promotoria pede dois anos e três meses de prisão e multa de 3,83 milhões de euros (16,8 milhões de reais) contra o diretor do Barça, Josep Maria Bartomeu, e mais de sete anos de prisão e multa de 25,15 milhões de euros (110 milhões de reais) para Sandro Rosell, diretor e negociador da operação.

O juiz da Audiência Nacional, José de la Mata, também aceitou, em junho, uma queixa por fraude e corrupção apresentada pela empresa que tinha 40% dos direitos federativos do jogador e que alega ter sofrido perdas financeiras com a contratação. O juiz afirmou que os contratos simulados tinham “a finalidade de adquirir [os direitos de Neymar] fora da concorrência normal com outros clubes interessados em sua contratação, por valor inferior ao de mercado, e sem pagar os valores substanciais que outros clubes poderiam estar dispostos a pagar".

Neymar, segundo o juiz, "aceitou e recebeu" do Barça um "lucro injustificado de 40 milhões [de euros]" para "favorecer" o clube com seus direitos federativos "sem ter que competir com outros clubes interessados". Ao fazê-lo, o jogador não cumpriu com suas obrigações como funcionário do Santos ao rejeitar, em seu próprio benefício, e "por razões espúrias" todas as ofertas de transferência dos clubes, ficando com os 40 milhões de euros comprometidos com o Barça.