Venezuela

Parlamento da Venezuela retrocede e acata as decisões do Supremo

Presidente da Assembleia anuncia que três parlamentares de oposição deixarão cargos

Fachada da Assembleia Nacional, em Caracas.
Fachada da Assembleia Nacional, em Caracas.MARCO BELLO (REUTERS)

MAIS INFORMAÇÕES

Essa decisão demonstra que a oposicionista Mesa da Unidade Democrática (MUD) acata a decisão do tribunal máximo, que ordenou declarar como nulas todas as decisões da maioria enquanto não for anulado o juramento dos três representantes do Estado do Amazonas, no sul da Venezuela. Esse ato foi suspenso pelo Supremo enquanto são investigadas as supostas irregularidades nas eleições parlamentares de dezembro.

A decisão deverá ser ratificada na sessão plenária da Assembleia Nacional agendada para a manhã de quarta-feira na Venezuela. Mas a pergunta é se a cúpula chavista aceitará essa decisão. Na tarde de terça-feira a Procuradoria Geral da República, em nome do presidente Nicolás Maduro, agiu em desconhecimento da autoridade legislativa ao solicitar à Sala Constitucional que estabelecesse o alcance do desacato declarado contra a Assembleia Nacional. “Precisamos saber onde e quando o presidente deve apresentar seu relatório anual à Assembleia Nacional”, disse o vice-presidente Aristóbulo Istúriz.

O retrocesso da oposição parece deixar sem efeito a possibilidade, assomada na terça-feira pela bancada chavista, de eximir Maduro de apresentar sua mensagem à nação da sede do Poder Legislativo, como a Constituição ordena. “Deve apresentar aqui seu relatório, não na esquina”, alertou Ramos Allup em uma declaração muito mais ampla. Na manhã de terça-feira o dirigente oposicionista se negou a informar à imprensa como enfrentariam o desafio colocado pelo chavismo, que conseguiu transformar por poucas horas o Parlamento em um clube de debates políticos sem consequências legais.

É apenas o primeiro capítulo dos diversos enfrentamentos que se aproximam entre os poderes públicos mais importantes da Venezuela. Ao impedir o juramento dos três parlamentares, o regime impede que seus adversários possam contar com dois terços da câmara para, por exemplo, modificar leis orgânicas – como as que dão base à arquitetura econômica do chavismo – e votar uma reforma da Constituição. Essa conquista não passou desapercebida. Na noite de terça-feira o chavismo impôs como tendência no Twitter uma hashtag chamada #109ysincuorum, em referência à impossibilidade de seus rivais de concretizar por enquanto os planos anunciados. Nos próximos seis meses eles haviam proposto escolher dentre as opções oferecidas pela Carta Magna aquela que permite a substituição eleitoral do governo.

Arquivado Em: