Seleccione Edição
Login
HENRY RAMOS ALLUP | Presidente da Assembleia Nacional da Venezuela

“Se têm devoção por Chávez, que lhe acendam velas”

“É preciso agir contra a tentativa de frear a Assembleia”, afirma Ramos Allup

O chavismo prometeu em 1999 que varreria da face da política venezuelana a Ação Democrática, partido no qual milita o presidente da Assembleia Nacional, Henry Ramos Allup (Valência, Venezuela, 1943), entre outros dirigentes conhecidos. Não aconteceu. Voltou ao Parlamento um orador eloquente e provocador, o perfeito adversário para o regime. “Minha caixa de câmbio não tem marcha a ré. Sempre vou para frente”, diz.

Henry Ramos Allup na Assembleia venezuelana, em 6 de janeiro.
Henry Ramos Allup na Assembleia venezuelana, em 6 de janeiro. Reuters

Pergunta. No entender do chavismo, o sr. teve uma atitude provocadora fora do plenário, sobretudo quando foi gravada esta iniciativa sua de retirar as imagens de Chávez e Bolívar do Palácio Legislativo. Para começar, por que deixou que isso fosse gravado em vídeo?

Resposta. Gravaram e pronto.

P. Mas tinha consciência de que estavam lhe gravando?

R. Não. Mas se tivesse consciência, teria sido igual. Aliás, eu recomendaria ao Governo, que quer fazer disto uma guerra, que constate o enorme respaldo, dentro e fora das redes sociais, que teve não só o vídeo, mas também os palavrões que eu disse quando saíram daqui retratos que nunca deveriam ter estado. Porque o abuso não foi tirá-los, o abuso foi colocá-los. Quem dera tivessem gravado como estavam contentíssimos os funcionários que os retiraram. Então, por que agora vamos nos impor o retrato indesejável de Chávez? Se eles querem lhe render culto necrológico, pois bem, cada um adora o que quer! Se eles têm devoção por Chávez, que lhe acendam velas. No que se refere ao retrato de Bolívar, ou o que eles dizem que é Bolívar: esse é um retrato que eles mandaram fazer porque quiseram mudar tudo. Mudaram a bandeira, mudaram o escudo, mudaram a moeda. E quiseram também mudar o rosto de Bolívar, que não corresponde a nenhum dos retratos históricos, indubitáveis, do Libertador, e que ele mesmo reconheceu como parecidos consigo. Por exemplo, o célebre retrato de Gil de Castro de 1826. O próprio Libertador escreveu no dorso desse quadro: “De todos os retratos que já me fizeram, este é o que mais se parece comigo”. Mas agora ocorre que, com uma imagem feita muito depois, não sei com qual técnica, pretendem que ela substitua a imagem histórica que o próprio Libertador disse que se parecia com ele. Enquanto eu for presidente desta Câmara, o retrato que estará aqui é o retrato que o Libertador disse que se parecia mais com ele, nenhum outro. Se isso trouxer como consequência uma guerra mundial, que venha.

P. Falando de passado e presente, é preciso admitir que há setores não só do governismo mas também oposição que veem na sua volta à Assembleia Nacional e ao primeiro plano midiático uma verdadeira imagem de restituição da velha política. Enxerga assim?

R. O passado não se devolve; o passado já passou. Do passado provém a experiência: você conserva o bom e despreza o mau. Hoje, eles são o passado. A mudança não é um rosto, a mudança é uma atitude. Você muda ou constrói o presente. E este presente é o que vamos mudar. Nós não medimos as pessoas cronologicamente, as medimos por sua capacidade. Pois o Governo que continue utilizando esse argumento estulto, no que, em todo caso, me fazem um grande favor. Porque se um septuagenário como eu, que de algo vale a quilometragem, é capaz de derrotar sozinho essa fila de trintões ineptos, então eu ganhei.

P. Em que medida o sr. está delimitado pela disciplina da Mesa da Unidade Democrática (coalizão oposicionista). Suas manifestações perante a imprensa, sua gestão, sua decisão de retirar os retratos de Chávez, são iniciativas acordadas previamente na aliança?

R. Algumas sim e outras não. Na MUD nunca debatemos o fato de deixar ou não os retratos, e a decisão de tirá-los não foi da MUD. Mas, como nós estamos delimitados por uma linha grosa que é institucional, então eu procedo institucionalmente.

P. Essa decisão de procurar uma forma de destituir o presidente da República dentro dos próximos seis meses poderia se chocar de alguma maneira com a proposta de Maduro de introduzir na próxima terça-feira um decreto de emergência econômica?

R. Não, por quê? Que eles tragam sua proposta e a discutiremos. Agora, se a emergência econômica do Governo é parecida ou idêntica ao que ocorreu na economia durante estes últimos 17 anos, daremos nossos argumentos e compararemos os resultados eventuais dessa proposta com a nossa proposta em matéria econômica. Mas não nos adiantemos ao debate. Eu o que quero expressar é o seguinte; você pode revisar qualquer evento sociopolítico em qualquer caso da história da humanidade e, para abordá-lo, você não pode agarrar uma espécie de bisturi e dissecá-lo, numa crise que é como um bloco, separando seu aspecto político do econômico e do social, porque as crises econômica e social são consequências diretas da crise política. Não pode dizer: “Agora falemos só do social ou do econômico. É impossível. Temos na Venezuela um problema social e econômico, mas que é o resultado de um modelo político pétreo, imodificável, dogmático, comprovadamente fracassado; fracassou em Cuba, na União Soviética e na Europa Oriental.

P. O cenário de conflito de poderes que está se configurando entre a Assembleia e o Tribunal Supremo e o Poder Executivo, em vez de melhorar, agudiza a crise econômica que o sr. diz querer enfrentar. Tem consciência disso?

R. Que não se entenda o que está acontecendo como algo pessoal. O fato é que não podemos fugir de uma confrontação que não provocamos. Eles apresentaram uma denúncia por desacato contra nós porque querem neutralizar os poderes de uma assembleia que derivam de uma eleição popular contundente. Vamos deixar assim ou vamos enfrentar? Não queremos brigar, mas precisamos ir ao tribunal para defender os deputados eleitos pelo povo, precisamos ir ao tribunal para expressar e discutir nossas razões com relação à legitimidade e licitude de todas nossas decisões, e precisamos ir ao tribunal, e aqui também iremos, para tentar anular um procedimento absolutamente contrário à Constituição e à Lei, pelo qual na calada da noite, num 23 de dezembro, a Assembleia escolheu os 13 magistrados principais do Tribunal Supremo de Justiça para assegurar uma maioria irracional que defenda o Governo e o proteja de qualquer decisão da Assembleia. Isso nós não podemos permitir. Frente a isso será preciso agir.

P. Mas essa confrontação paralisará o Estado enquanto a crise econômica se agrava.

R. O que fazemos? Sob o argumento de que esse debate paralisa o país, não nos defendemos? Esperamos que nos executem? Além do mais, o que mantém o país paralisado não é esse quiproquó entre a Assembleia Nacional e o Executivo. O que mantém o país paralisado é uma economia ruinosa, que já está há 17 anos acabando com a Venezuela.

P. Vocês prometeram uma Lei de Anistia e Reconciliação para libertar logo os presos por motivos políticos. Será a primeira lei produzida por esta Assembleia?

R. Não a primeira, nem a segunda. Tudo ao mesmo tempo. Assim que o projeto estiver pronto, vamos discutir a Lei de Anistia, mas também a lei que o deputado Julio Borges apresentou com relação às moradias, leis para incentivar a produção nacional, leis contra a insegurança. Aqui não há uma fila de leis, cada uma com sua vez.

P. Em todo caso, a Lei de Anistia poderá ficar pronta em curto prazo?

R. Claro! Mas o que o Governo está fazendo? Quando dizemos Lei de Anistia, Maduro diz: “Não aceito”. Que ele aceite ou não aceite deve ser o mesmo que se disséssemos: “Não aceitamos que ele nomeie ministros”.

P. Mas o presidente deve pôr o “Cumpra-se” nas leis.

R. Se não põe o “Cumpra-se”, a Assembleia tem a faculdade constitucional de fazer isso. E se não as publica na Gazeta Oficial, então nós teremos a nossa Gazeta. A lei não pode depender de que ele passe a chave e feche a Imprensa Nacional. Com relação à Lei de Moradias que Julio Borges anunciou, o que disse Maduro? Que não aceitaria que Julio Borges, mediante uma lei, desse escrituras aos habitantes dos apartamentos que ele havia construído, como se esse fosse o seu loteamento, ou a sua construtora. Não! A Assembleia pode perfeitamente ditar uma lei para fornecer escrituras aos moradores da Missão Moradia, para que não sejam possuidores a título precário, para que ninguém os chantageie com a propriedade da moradia, para que ninguém os ameace de despejo. Se cada vez que a gente fizer uma lei Maduro disser que não a aceita, que não a engole, como dizemos na Venezuela, então a Assembleia Nacional não legisla?

MAIS INFORMAÇÕES