Banco Central projeta queda de 3,6% do PIB, pior resultado desde 1990

A inflação também será mais alta que a estimada: subiu de 9,5% para 10,8%

Diante de um quadro de deterioração da economia brasileira, o Banco Central revisou suas estimativas e revelou que a recessão no país será ainda mais grave. A projeção agora é que a atividade econômica termine o ano com uma contração de 3,6%, uma queda de quase 1 ponto percentual maior que a prevista anteriormente. Se confirmada, será a maior contração da economia no país em 25 anos: em 1990, o PIB brasileiro ficou em -4,35%.

Queda da produção industrial faz arrecadação federal diminuir.
Queda da produção industrial faz arrecadação federal diminuir.Fotos Públicas

A inflação de 2015 também será mais alta que a estimada: subiu de 9,5% para 10,8%. Já no ano que vem, os preços irão ceder um pouco, mas o brasileiro ainda terá que conviver com preços altos. Segundo o relatório trimestral de inflação, a estimativa do Índice de Preços Para o Consumidor Amplo (IPCA) passou de 5,3% para 6,2%. O BC também divulgou, pela primeira vez, a previsão da inflação para 2017: 4,8%.

A economia brasileira ainda manterá uma trajetória bem negativa em 2016. A instituição financeira estima que a queda será de 1,9%, um valor bem mais otimista que a de analistas do mercado financeiro que falam em um recuo de 2,8% a 3%. Segundo o Banco Central, o quadro complicado vivido pelo país é um reflexo do desequilíbrio interno e também de um cenário de incertezas associado "a eventos não econômicos". Esta última observação parece aludir à grave crise política que atravessa o Brasil e também à possibilidade de um processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff.

Mais informações
Recessão eleva torcida por saída de Dilma, mas está longe de ser consenso
“Se existe uma área que dará boas notícias é a do comércio exterior”
Dilma pede a Nelson Barbosa metas realistas e foco no crescimento econômico

Em seu relatório, o BC também ressaltou a contração na atividade da indústria brasileira e do setor de serviços, além da redução de gastos “com investimentos e consumo". Essas quedas da produção da indústria e do movimento no comércio já cobram fatura na economia.

A arrecadação federal somou 95,46 bilhões de reais em novembro, um tombo de 17,29% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foi arrecadado um total de 104,47 bilhões de reais. No ano, a arrecadação é de 1,1 trilhão de reais, e a perda, de 5,8%, de acordo com números divulgados pela Secretaria da Receita Federal nesta quarta-feira.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS