Bala perdida mata criança de dois anos que dormia em favela do Rio

Ruan Bruno Gomes Nunes foi atingido na barriga por uma bala perdida durante um suposto ataque de traficantes contra policiais

O pequeno Ruan Bruno Gomes Nunes.
O pequeno Ruan Bruno Gomes Nunes.agência o globo

Uma criança de dois anos morreu na madrugada deste sábado enquanto dormia em sua casa, na favela Metrô Mangueira, na Zona Norte do Rio. O pequeno Ruan Bruno Gomes Nunes foi atingido na barriga por uma bala perdida. Seus familiares conseguiram leva-lo até um hospital, mas ele não resistiu. A mãe da criança, Gabriela Gomes Nunes de Souza, de 20 anos, que dormia junto ao menino e outra filha no mesmo cômodo, disse ao jornal Extra que um tiroteio começou por volta das 4h. Segundo ela, um grupo de traficantes atirou contra policiais que patrulhavam a favela.

A origem do disparo que matou Ruan ainda não foi esclarecida. Moradores cortaram vias da região como protesto e acusaram à Polícia Militar de ser a autora dos disparos, segundo informou o jornal O Globo. Mas a corporação nega. Segundo a assessoria da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), que atua na comunidade, os agentes estavam acompanhando a saída dos frequentadores de um baile funk, quando bandidos atiraram contra os policiais do alto do morro. Segundo declararam os agentes, eles não revidaram porque tinha muita gente no local e os bandidos estariam atirando de longe, o que dificultava a identificação dos alvos. No entanto, a delegacia ainda precisa checar o uso da munição dos agentes, para verificar a versão que eles deram, segundo informa a assessoria.

Mais informações
Rio de Janeiro: 16 vítimas de balas perdidas em apenas dez dias
“Eu prometi ao meu filho que a sua morte não ficaria impune”
A máxima de atirar primeiro e perguntar depois
A dez meses das Olimpíadas, UPPs do Rio enfrentam seu pior momento
Enquanto polícia blinda praias do Rio, moradores de favela cobram estrutura

Operações policiais e tiroteios nas favelas têm várias crianças como vítimas. Segundo um levantamento da ONG Rio da Paz, já houve sete mortes em 2015. Entre elas a do menino Eduardo, que morreu em abril na porta de casa, no Complexo de favelas do Alemão, enquanto brincava com um celular. A bala de fuzil que atingiu a cabeça da criança foi disparada a apenas cinco metros por um policial durante uma operação contra o tráfico. Em setembro, outro menino de 11 anos morreu durante outra operação policial na favela de Caju, na zona portuária do Rio. Segundo uma testemunha, Herinaldo Vinícius Santana, foi baleado por um policial que se assustou com o menino correndo e o confundiu com um traficante.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS