Seleccione Edição
Login
João Saboia | Professor Universidade Federal do Rio de Janeiro

“Estamos perdendo rapidamente avanços que levamos anos para obter”

O professor da UFRJ diz que o desemprego já começa a elevar a desigualdade social

Fila de desemprego em São Paulo.
Fila de desemprego em São Paulo.

Em agosto deste ano, quando o país registrava 345.000 demissões, o professor João Saboia, do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, lamentava a velocidade com que os cortes haviam ocorrido até ali, mas não acreditava que o país fechasse o ano com um número próximo a um milhão de demissões. Hoje, a projeção de 1,5 milhão de postos de trabalho a menos até dezembro confirmam um pessimismo ao qual ele resistiu. Nesta entrevista, feita por email, Saboia fala sobre a falta de perspectiva brasileira.

Pergunta. Já se perderam 819.000 postos de trabalho entre janeiro e outubro, segundo dados do Cadastro Geral do Ministério do Trabalho. O que podemos esperar para os próximos meses com números tão negativos como esse?

Resposta. O ano de 2015 está perdido e as demissões vão aumentar até o final do ano. Tradicionalmente dezembro é o mês com mais demissões no CAGED por conta das contratações temporárias do período de Natal.

P. Os dados do IBGE divulgados mostram também que aumentou o número de pessoas saindo de casa para procurar emprego, o que aumenta a massa de desempregados. O que isso quer dizer?

R. Os dados da Pesquisa Mensal de Emprego de outubro mostram forte aumento do desemprego prejudicando principalmente os mais jovens. Isso confirma que a piora do mercado de trabalho continua firme.

P. Qual é a diferença entre o desemprego de 2015 e o desemprego dos anos 2000 ou anos 90?

R. De 2004 a 2014 o desemprego não parou de cair. A mudança em 2015 está sendo muito rápida e intensa. Em outubro deste ano a taxa de desemprego é mais alta do que em outubro de 2008. A continuar nesse ritmo poderemos chegar rapidamente aos níveis de 2003 quando a taxa de desemprego era de 12%. Em Salvador, já está em 12,8%.

P. Qual será o impacto desta perda para a desigualdade de renda, uma vez que a melhoria do emprego havia engordado os salários e melhorado a distribuição?

R. A melhoria da desigualdade nos últimos anos esteve muito ligada aos avanços no mercado de trabalho. Certamente a distribuição de renda já está piorando. Até 2014 ela continuava melhorando um pouco. Em breve teremos dados para confirmar a piora em 2015.

P. Você disse em uma entrevista à Folha que o maior problema do desemprego era o ajuste. O ajuste, porém, é necessário. E segundo o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, após ser implementado, a recuperação é rápida. Você concorda?

R. Há ajustes e ajustes. O do ministro Joaquim Levy está sendo muito intenso e tem ajudado pouco a melhorar as contas públicas do país. Enquanto a taxa de juros permanecer no nível em que se encontra atualmente não haverá superávit primário que consiga estabilizar a dívida pública. Creio que os cortes de gastos já estão no limite. O investimento público está desaparecendo. Não há qualquer garantia de que a economia brasileira vai se recuperar em breve como afirma o ministro.

P. Há saídas para este desemprego atual ou é um preço caro que não há como deixar de pagar?

R. Claro que há saídas, mas para isso o ajuste teria que ser modificado rapidamente e não vejo como isso possa ser feito nas atuais condições políticas do país.

P. Chegamos ao fundo do poço com a perda de emprego ou nem encontramos o fundo dele ainda?

R. O fundo do poço ainda está longe. O mercado de trabalho deve continuar piorando em 2016.

P. Em uma conversa prévia, você comentou que se impressionava com a rapidez com que o mercado de trabalho brasileiro estava se deteriorando. Essa velocidade continua?

R. A velocidade continua muito grande. Basta olhar os dados da Pesquisa Mensal – desemprego disparando, renda média caindo 4% nos últimos 12 meses e o emprego formal caindo 4%.

P. Quais setores podem dar um refresco neste final do ano?

R. A única esperança seria o comércio por conta do Natal. Mas não creio pois as vendas estão muito baixas. Não acredito em refresco neste final de ano. A economia deve cair 3% neste ano e mais 2% em 2016. Minhas expectativas são bem desfavoráveis para o ano que vem.

P. O Governo conseguiu aprovar algumas medidas no Congresso, mas agora outro escândalo da Lava Jato, com o senador Delcídio do Amaral volta a enfraquecê-lo. Isso piora a perspectiva da economia?

R. Esses fatos dificultam ainda mais o governo em termos políticos, mas não vejo maiores desdobramentos econômicos. Ele estava aprovando aos poucos [projetos na Câmara], mas as dificuldades continuam imensas. Não dá para ter confiança neste Congresso e a base aliada está esfacelada. As expectativas não poderiam ser piores.

P. Qual o lado mais perverso desta crise atual?

R. O lado mais perverso é a possibilidade de se perder muito do que se avançou na última década em termos de ganhos sociais e econômicos. O processo de melhora foi longo e a piora está sendo muito rápida.

MAIS INFORMAÇÕES