Duplo atentado contra mesquita deixa nove mortos nos arredores de Bagdá

Entre janeiro e outubro os terroristas mataram 6.520 civis iraquianos

As forças iraquianas combatem o EI perto de Ramadi.
As forças iraquianas combatem o EI perto de Ramadi.

Pelo menos nove pessoas morreram e trinta ficaram feridas nesta sexta-feira em um duplo atentado na saída das preces do meio-dia em Yusufiya, uma localidade na periferia de Bagdá. Os autores não foram identificados, mas tudo indica que foram cometidos pelo Estado Islâmico (EI) que controla grandes áreas do norte e oeste do Iraque, mas que frequentemente ataca a comunidade xiita e as forças de segurança na capital. Sem incluir o mês de novembro, os terroristas mataram 6.520 civis iraquianos desde o começo do ano, segundo a ONU.

MAIS INFORMAÇÕES

Uma bomba de fabricação caseira escondida na calçada explodiu quando os fiéis saíam da mesquita em Yusufiya, 30 quilômetros ao sul de Bagdá, pouco antes das 12h30 (7h30 de Brasília). A primeira explosão matou dois civis e feriu outros nove, segundo fontes policiais citadas pela Reuters. Pouco depois, enquanto os serviços de emergência e as forças de segurança tentavam atender as vítimas, um terrorista suicida detonou seu colete explosivo matando outras sete pessoas e ferindo 28.

A técnica do duplo atentado e o fato de a mesquita ser xiita faz com que as suspeitas recaiam sob o Estado Islâmico, o mesmo grupo que está por trás dos atentados de Paris e Beirute, e cuja brutalidade inspira radicais islâmicos em todo o mundo. Seus líderes, que fazem uma interpretação extrema do Islã sunita que exclui as outras vertentes e leituras dessa religião, exploram a fratura sectária aberta no Iraque após a queda de Saddam Hussein pelas mãos dos EUA em 2003 e o acesso ao poder da até então marginalizada maioria xiita.

Sua crença particular encontra eco entre alguns sunitas iraquianos, que agora se sentem injustamente responsabilizados pelos crimes do ditador e discriminados politicamente. No caso de Yusufiya, a situação no reduto intercomunitário ficou mais grave pelas mudanças demográficas realizadas por Bagdá.

De população eminentemente sunita, essa localidade, ao lado das vizinhas Mahmudiya e Latifiya, onde sete agentes espanhóis do Centro Nacional de Inteligência (CNI) foram mortos em 2003, foi um importante foco insurgente contra a ocupação, o que lhes valeu o apelido de “triângulo da morte”. Pouco a pouco, entretanto, as operações militares para desalojar primeiro os insurgentes e depois os membros do EI em 2014, a esvaziou dos habitantes originais (que foram proibidos de retornar por questões de segurança) e foi repovoada por xiitas, vítimas de seguidos ataques.