_
_
_
_
_

França identifica mais dois terroristas suicidas da matança jihadista de Paris

A polícia realizou 168 ações de busca e apreensão em 19 departamentos ou províncias.

Hollande (centro) e outras autoridades fazem um minuto de silêncio.
Hollande (centro) e outras autoridades fazem um minuto de silêncio.EFE

Cinco dos jihadistas suicidas que atacaram em Paris na sexta-feira já foram identificados pela polícia. Quatro deles são franceses, e ainda há dúvidas sobre a origem do quinto. Um dos dois últimos identificados é Samy Amimour, nascido em 25 de outubro de 1987 em Drancy, um bairro parisiense com forte presença muçulmana. O outro é o indivíduo que portava um passaporte sírio. A polícia comprovou que seus rastros correspondem ao de um homem que entrou na Grécia em outubro, seguindo a rota empregada por milhares de refugiados.

Amimour se suicidou na sala de espetáculos Bataclan junto com outros dois terroristas. Em outubro de 2012, ele havia sido indiciado por envolvimento com o terrorismo, após a revelação de que havia tentado viajar ao Iêmen, destino também de alguns jihadistas que cometeram os atentados de janeiro deste ano em Paris. Submetido a vigilância policial, Amimour conseguiu evitar o cerco sobre ele, e a polícia perdeu seu rastro no segundo semestre de 2013. Desde então, segundo promotores de Paris, havia um mandado internacional de busca e captura contra ele. Três familiares seus foram presos. Um deles declarou à polícia que Amimour esteve na Síria há dois anos.

Mais informações
A discreta vida de um terrorista
França inicia uma intensa ofensiva de bombardeios contra reduto do ISIS
Alerta máximo em Paris em busca de terroristas que fugiram
Estádio se salvou de um massacre
As vítimas dos atentados em Paris

O quinto identificado, embora ainda não plenamente, se suicidou em frente ao Stade de France. Portava um passaporte sírio em nome de Ahmad al Mohamad, nascido na Síria. A polícia não conseguiu confirmar se esse é o seu nome real, mas sim que se trata do mesmo indivíduo que chegou à Grécia em 3 de outubro.

O Governo francês mobilizou mais de 100.000 policiais e militares para prevenir novos atentados e seguir a pista de supostos jihadistas, especialmente os que conseguiram fugir depois da matança da sexta-feira. Trata-se de uma operação sem precedentes, "uma mobilização excepcional", segundo o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve. Em busca de suspeitos e armas, a polícia realizou, na madrugada deste domingo para segunda, 168 ações de busca e apreensão em 19 departamentos ou províncias, onde determinou medidas de controle sobre 104 residentes, deteve 23 pessoas e apreendeu 19 armas, entre elas um lança-foguetes. O primeiro-ministro Manuel Valls teme uma nova ação terrorista “nos próximos dias”.

As atuações policiais, amparadas pelo estado de emergência decretado na sexta-feira, ocorreram, entre outros lugares, em Paris, Toulouse, Estrasburgo, Marselha, Grenoble e Lyon. As operações continuarão em todo o território ao longo desta segunda-feira. Frente à matança de Paris, haverá uma "resposta implacável", segundo Cazeneuve. "Os terroristas não destruirão nunca a República, porque a República os destruirá antes.”

As forças de segurança estão mobilizadas também para proteger universidades e escolas, que abriram suas portas na segunda-feira, após dois dias fechados. A ministra da Educação anunciou que as viagens e excursões escolares estão suspensas até 22 de novembro. As manifestações previstas por ocasião da Cúpula do Clima também foram canceladas.

“É preciso que nos preparemos para novas réplicas”, advertiu Valls à emissora RTL. O chefe de Governo diz reiteradamente nos últimos dias que teme novos ataques terroristas depois de que, desde janeiro passado, pelo menos meia dúzia de atentados foram prevenidos.

A polícia francesa já fichou 10.500 pessoas como suspeitos de atividades ligadas ao radicalismo islâmico – uma quantidade de pessoas impossível de vigiar permanentemente, Até agora, a cifra extraoficial que se comentava era de 4.000 pessoas nessa lista. Nos últimos meses, ela cresceu. Valls afirmou que às vezes um suspeito é incluído apenas por causa de um dado recebido pela polícia.

O ex-presidente Nicolas Sarkozy declarou na manhã desta segunda-feira à rede TF1 que é preciso determinar a zona de residência desses suspeitos (o que o estado de emergência permite) e que eles devem receber braceletes eletrônicos de geolocalização. Laurent Wauquiez, secretário-geral do partido de Sarkozy, agora chamado Os Republicanos, propôs inclusive trancafiar esses suspeitos em campos especiais de internamento.

Os líderes políticos também se referiram nos últimos dias à conveniência de atuar frente aos discursos radicais nas mesquitas francesas. A líder do partido direitista Frente Nacional, Marine Le Pen, é partidária de fechar as mesquitas onde ocorram sermões violentos. O ministro Cazeneuve, do Interior, disse no domingo que seria necessário prender quem “pregar o ódio”. Nesta segunda-feira, Valls afirmou que “é preciso expulsar quem mantiver discursos insuportáveis contra a República”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_