Rússia usa guerra contra o jihadismo para aumentar sua influência na Ásia

Putin entra em acordo com países ex-soviéticos para reforçar a vigilância das fronteiras

Foto na cúpula da CEI em Burabai.
Foto na cúpula da CEI em Burabai.Sasha Mordovets (Getty)

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, quer que a luta contra o terrorismo islâmico se torne um objetivo prioritário da Comunidade de Estados Independentes (CEI, organização que reúne cerca de dez Estados pós-soviéticos). Em um encontro realizado no Cazaquistão, Putin alertou que entre 5.000 e 7.000 pessoas da CEI lutam ao lado do Estado Islâmico e defendeu o fortalecimento da coordenação das políticas externas e antiterroristas. Os líderes concordaram em criar um “agrupamento de (forças) de fronteira e outras instituições para resolver as situações de crise nas fronteiras”.

Baseando-se em estimativas segundo as quais de “5.000 a 7.000” oriundos da CEI “lutam ao lado do Estado Islâmico”, Putin disse que não se deve permitir que eles utilizem “aqui em casa” a “experiência que tiveram na Síria”.

Mais informações
14 pontos-chave sobre o Oriente Médio e o papel do Estado Islâmico
Exército sírio avança com apoio da Rússia, em marco da Guerra Fria
Ataque da aviação iraquiana mata vários líderes do Estado Islâmico
Estados Unidos suspendem programa de formação de rebeldes sírios
OTAN avisa que está pronta para mobilizar tropas na Turquia
Rússia ataca Síria com mísseis lançados do Mar Cáspio
Estado Islâmico destrói o Arco do Triunfo de Palmira, na Síria
Apoio da Rússia a Assad na Síria frente ao avanço de aliados da Al-Qaeda
Estados Unidos pedem mais dinheiro à Europa contra o Estado Islâmico

O governante russo aproveitou o encontro da CEI para buscar uma aprovação de sua política na Síria e convencer os países membros de que sem a ajuda militar russa as fronteiras da Ásia Central não estarão bem guardadas, segundo Arkadi Dubnov, analista especializado em Ásia Central.

Na reunião, os líderes pós-soviéticos entraram em acordo para criar um “agrupamento de (forças) de fronteira e outras instituições dos Estados membros da CEI para resolver as situações de crise nas fronteiras”, segundo informa a agência Reuters de Burabai, citando um dos documentos assinados no encontro. Segundo a Reuters, não há detalhes sobre a composição ou o local do mencionado contingente, mas Sergei Lebedev, secretário executivo da CEI, mencionou o Tadjiquistão como possível sede dessas tropas conjuntas.

Um programa de colaboração para “reforçar a segurança das fronteiras no período de 2016 a 2020” e uma “concepção de colaboração militar” foram dois dos documentos “ratificados” no encontro da CEI. Dos cinco Estados que surgiram na Ásia Central após a desintegração da URSS, três fazem fronteira direta com o Afeganistão (Tadjiquistão, Uzbequistão e Turcomenistão) e um (Quirguistão), por sua localização geográfica e relevo montanhoso, é vulnerável à invasão a partir daquele país. No entanto, a situação e as relações com a Rússia são diferentes em cada país.

Especialmente sensível é a fronteira entre Afeganistão e Tadjiquistão, demarcada pelo rio Pianzh. O Tadjiquistão, país mais pobre da CEI, foi palco de uma guerra civil no início dos anos noventa. Suspeitando de todo tipo de oposição, o regime local de Emomali Rakhmonov proibiu o Partido do Renascimento Islâmico, que protagonizou os acordos que permitiram o fim da guerra civil e que garantia a integração dos islâmicos moderados na política.

 Aliados militares

A fronteira entre o Tadjiquistão e o Afeganistão foi protegida pelos guarda-fronteiras russos até 2005, ano em que se retiraram. Apesar disso, a Rússia tem uma divisão militar (a 201) no Tadjiquistão e mantém conselheiros que assessoram as forças fronteiriças daquele país. O Tadjiquistão também recebeu ajuda técnica e econômica da União Europeia e dos Estados Unidos para reforçar sua fronteira.

Enquanto o Quirguistão e o Tadjiquistão são aliados militares da Rússia e da Bielorrússia nos termos da Organização do Tratado de Segurança Coletiva (OTSC), o Uzbequistão saiu dessa aliança militar para manter uma margem de manobra própria entre a Rússia e os EUA. O Turcomenistão, por sua vez, é um país declaradamente neutro, que nunca participou dela.

Nos termos do OTSC, já existem forças de reação rápida conjuntas criadas também para defender a fronteira de possíveis ameaças externas, esclarece Andrei Kazantsev, diretor do centro analítico do Instituto de Relações Internacionais de Moscou. Segundo o especialista, a Rússia busca uma nova fórmula que “permita a colaboração entre os países da OTSC e o Uzbequistão, de certa forma um importante ator militar da região”. A situação com o Turcomenistão é mais difícil, avalia o especialista.

Na reunião da CEI, o Turcomenistão foi representado por um vice-chefe de Governo e o ministro das Relações Exteriores do país viajou aos EUA de forma demonstrativa, ignorando o encontro com seus colegas da CEI. O Turcomenistão está dando uma guinada total em sua política e orientando-se para o Ocidente, afirmam observadores políticos em Asjabad, segundo os quais as autoridades turcomanas sentem a necessidade de proteger os gasodutos que vão para Índia e Afeganistão e que passam por seu território, desconfiam do Krêmlin e se decepcionaram com a China.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS