Médicos Sem Fronteiras

Ataque ao hospital do MSF no Afeganistão foi ‘erro’ dos EUA

Ordem de bombardeio foi decidida dentro do comando de Washington, não de Cabul

O comandante norte-americano no Afeganistão, general John Campbell.
O comandante norte-americano no Afeganistão, general John Campbell.Carolyn Kaster (AP)

O principal chefe militar dos Estados Unidos no Afeganistão, o general John Campbell, reconheceu nesta terça-feira em Washington que o ataque aéreo no sábado ao hospital da Médicos Sem Fronteiras (MSF) na cidade afegã de Kunduz, que causou a morte de 22 civis, foi um “erro”. E embora tenha reiterado que foi uma resposta a um pedido de ajuda das forças afegãs, assumiu implicitamente a responsabilidade ao indicar que conceder esse apoio aéreo foi uma decisão tomada exclusivamente pelo comando militar norte-americano.

MAIS INFORMAÇÕES

“A decisão de proporcionar fogo aéreo foi uma decisão estadunidense, tomada dentro da cadeia de comando estadunidense”, disse Campbell em uma audiência no Senado. “Um hospital foi atingido por erro. Nunca teríamos atacado de propósito uma instalação médica protegida”, garantiu.

Campbell prometeu novamente que a investigação sobre o incidente, já iniciada, será “exaustiva, objetiva, transparente”. No entanto, ao lhe perguntarem, várias vezes, se o Exército norte-americano estaria disposto a aceitar uma investigação independente, tal como reivindicou a MSF, Campbell se esquivou de uma resposta direta, limitando-se a reiterar sua “total confiança” na eficiência e transparência da investigação interna e da OTAN, assim como a empreendida pelas forças afegãs.

O comandante norte-americano revelou também que ordenou um treinamento “a fundo” das forças sob seu comando a respeito das regras de confronto vigentes para a operação no Afeganistão.

Campbell viajou para Washington para falar sobre a situação no Afeganistão em vários comitês do Congresso esta semana, depois do ataque ao hospital civil em Kunduz, sobre o qual os EUA apresentaram diferentes versões nos últimos dias. Após afirmar no início que o hospital do MSF era um “dano colateral”, na segunda-feira Campbell admitiu que o ataque tinha sido efetuado a pedido de forças de segurança afegãs assediadas por fogo dos talibans, que na semana passada haviam tomado a estratégica cidade de Kunduz.

Arquivado Em: