música brasileira

Chico Buarque por ele mesmo

Documentário íntimo sobre o compositor e escritor abre o Festival de Cinema do Rio

Imagem do documentário sobre Chico Buarque.
Imagem do documentário sobre Chico Buarque.

Chico Buarque conta, em sua casa de Ipanema, no Rio de Janeiro, que quando seu casamento de três décadas terminou ele pensou que ao dobrar a esquina se casaria outra vez. Adorado como era não teria sido difícil, mas não o fez. E agora não se imagina convivendo com alguém. “Se um dia não tem amigos, vinho, namorada... Ótimo, fico em casa. Não tenho problema nenhum com a solidão”.

A cena é uma das muitas conversas de Chico com seu amigo e diretor de cinema Miguel Faria Junior no primeiro documentário de longa-metragem sobre o cantor. Chico: Artista Brasileiro conta uma trajetória de 50 anos marcada pelo sucesso, a necessidade de conquistar intelectualmente seu pai, o fim de seu casamento, a repressão da ditadura e a busca incessante de um irmão alemão, falecido antes que o compositor soubesse de sua existência.

Durante 30 horas de entrevistas, Chico, com a tranquilidade de quem já fez quase tudo na vida, apela à própria memória e acaba contando sua própria história. O artista abre as portas, pela primeira vez e na tela do cinema, a sua intimidade, normalmente guardada a sete chaves. O músico confessa que fez sessões de psicanálise para superar uma forte crise de criatividade. Talvez porque, como dizem seus amigos, os adversários de Chico vivem em seu interior. O surgimento de três de seus sete netos pedindo sorvete em sua casa mostra o Chico avô, atropelado diante da energia dos jovens e surpreso diante dos descobrimentos e talentos musicais da nova geração de Buarques. O artista também confirma, em várias ocasiões, o que dizem seus amigos: que é capaz de se engasgar com sua própria risada.

MAIS INFORMAÇÕES

A história é completada por imagens, guardadas nos arquivos durante décadas, de seus próprios shows, de sua saída do Brasil em plena ditadura, dos musicais que escreveu depois... Entre as raridades, que funcionam melhor do que a memória, está a gravação da chegada de Chico ao aeroporto de Roma em 1968. Logo depois de aterrissar, um repórter lhe pergunta por sua recente prisão pelo exército da ditadura em uma manifestação no Rio de Janeiro e lhe pergunta se é um radical. “Existiam centenas de milhares de pessoas na marcha. Duvido muito que existam centenas de milhares de radicais no Rio”, responde em perfeito italiano ao jornalista.

Chico hoje reconhece ter perdido a batalha contra a censura. Fazia com que suas músicas passassem pelo filtro mudando algumas palavras como “brasileiro” por “batuqueiro”, mas escrevia com raiva e “a raiva não ajuda na criação”.

A leitura de trechos de seu último romance O Irmão Alemão (Companhia das Letras), e as imagens do músico em Berlim investigando a vida de seu irmão, também cantor, servem de fio condutor à boa parte do filme. A longa também deixa claro que o interesse de Chico em conhecer seu irmão escondia a ânsia de se aproximar também de seu inconquistável pai. Emociona ver o cantor correndo até a câmera em uma rua de Berlim e contar que acabava de descobrir que sua música A Banda, de 1966, de seu primeiro álbum, também foi traduzida ao alemão. “Meu irmão me conheceu!”, diz, com a alegria de uma criança.

Faria, que dirigiu a cinebiografia de Vinícius de Moraes, o documentário mais visto do país, pede a colaboração dos grandes da música brasileira para que o ajudem no relato. Aparecem na tela desde Maria Bethânia, que elogia a feminilidade de Chico, aos já falecidos reis da bossa nova Tom Jobim e Vinícius de Moraes, que elogiam sua excelência. Vinícius, em outra dessas imagens desconhecidas por grande parte dos brasileiros, afirma que a música brasileira é uma enorme planície, com alguns morros e pouquíssimas montanhas e que Chico Buarque é uma delas. “Escreve a letra, a música... e faz tudo muito bem”.

O documentário de Chico Buarque, que chegará às salas de cinema em novembro, abre a 17° edição do Festival do Rio. A capital carioca será a meca do cinema internacional até 14 de outubro, com a exibição de 250 filmes de 60 países.

Arquivado Em: