O realismo social do argentino Pablo Trapero

Prêmio em Veneza consolido o diretor argentino de ‘O Clã’, que estreia no Brasil

Retornar ao Lido foi uma maneira de fechar o círculo. Há 16 anos, Pablo Trapero (San Justo, Argentina, 1971) apresentou seu primeiro longa-metragem, Mundo Grúa, em uma sessão paralela da Mostra de Veneza. Desde então, o cineasta construiu uma carreira sólida até alcançar a consagração com O Clã, que estreia nesta semana nos cinemas brasileiros, onde reconstrói a história real de uma família que realizou sequestros e execuções no começo dos anos 80. O líder do clã era Arquímedes Puccio, um economista e ex-diplomata dos serviços secretos que escolheu como vítimas os ricos amigos de um de seus filhos, estrela do rúgbi.

Mais informações
Chatô, uma saga grandiloquente
Cinema da América Latina decola com ‘star system’ próprio
Brasileiros e hispano-americanos, (mais) unidos em prol dos filmes
Pela primeira vez no cinema, os mistérios da gravidez

Durante sua ascensão, Trapero contou com o apoio dos grandes festivais europeus, nos quais é presença constante há mais de uma década. O Leão de Prata de melhor diretor, entretanto, que a Mostra o concedeu em setembro por O Clã, é o primeiro prêmio de envergadura que ele conquista. O diretor interpreta esse fato como uma entrada definitiva na primeira divisão do cinema? “Os prêmios ajudam muito, mas são os filmes que devem fazer esse trabalho. Ganhar em Veneza é importante e inesquecível, mas acredito muito no poder dos filmes”, explica Trapero, com surpreendente moderação, pouco depois de levar o prêmio.

Por outro lado, o diretor considera que a premiação tem uma dimensão simbólica, ao reconhecer o bom estado de saúde do cinema latino-americano. Para Trapero, essa dupla vitória demonstra que não é um fenômeno passageiro. “Nossos filmes não são acidentes. Estamos fazendo um cinema para públicos diversos, nos festivais e nas salas, com filmes que conseguem cruzar países e até oceanos. Os prêmios conquistados em Veneza demonstram que esse cinema é uma realidade”.

O nome de Trapero começou a aparecer nos finais dos anos noventa como integrante de uma geração de jovens cineastas argentinos que fascinaram o velho continente por outra coisa que não o Corralito (retenção de depósitos bancários), como Lucrecia Martel, Martin Rejtman e Adrián Caetano. A maioria daqueles jovens e promissores diretores acabou tendo carreiras desiguais e até mesmo desapareceu do mapa. Trapero, pelo contrário, foi melhorando em cada filme, em uma trajetória ascendente que inclui títulos como Do Outro Lado da Lei, Família Rodante, Leonera, Abutres e Elefante Branco. Com cada um deles, foi aperfeiçoando uma estimulante mescla de retrato social e cinema de gênero, sempre com rigor e espírito crítico. “O cinema, por natureza, tem a capacidade de nos emocionar e até de nos modificar. É entretenimento, mas também reflexão”, afirma.

O prêmio obtido em Veneza certifica sua capacidade para a criação das cenas. Em O Clã, Trapero alterna o costumeiro retrato da família protagonista com uma coreografia de perseguições, sequestros e assassinatos, demonstrando um fascínio pelos personagens malvados que não está isento de condenação moral, e que aproxima o filme do cinema de Martin Scorsese. “Receber o prêmio de diretor é incrível, porque é um reconhecimento pessoal que me emociona e me alegra. Mas o trabalho de um diretor só é bom quando sua equipe também é”, disse Trapero, que rodou o filme com o grande ator cômico Guillermo Francella, em uma acentuada mudança de padrão. Além dele, o elenco conta com o ator e cantor Peter Lanzani, ídolo adolescente e namorado de Martina Stoessel, protagonista da telenovela Violetta.

Trapero também espera que o sucesso do cinema latino-americano coloque fim à atitude paternalista que, frequentemente, é demonstrada na Europa pelas cinematografias com menos tradição. “A melhor forma de combater esse tipo de atitude, que não interessa ao cinema e a ninguém, é realizando bons filmes e deixar que falem por si”, finaliza.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS