_
_
_
_

Rasteira de jornalista húngara deixa imprensa de seu país escandalizada

Petra László foi imediatamente demitida pela rede de televisão N1TV

Foto: reuters_live | Vídeo: Reuters Live
Gabriela Cañas

As cenas de uma jornalista húngara chutando e passando uma rasteira em alguns refugiados que furavam uma barreira policial para entrar na Hungria escandalizaram todos os veículos de comunicação daquele país. A imprensa se mostra, hoje, bastante crítica em relação à jornalista, que foi imediatamente demitida na tarde de terça-feira pela rede de televisão N1TV. Trata-se de uma rede quase marginal, conhecida, informalmente, como a rede do Jobbik, o partido de extrema-direita que apoia o governo do primeiro-ministro conservador Viktor Orbán. Do ponto de vista da empresa, a polêmica se encerrou com a demissão da repórter: “Os colegas da jornalista da N1TV consideram inaceitável aquilo que aconteceu em Röszke. A jornalista foi imediatamente demitida”, escreveu em seu comunicado o editor Szaboles Kisber. Ela pode ainda cumprir até 7 anos de prisão.

Mais informações
Alemanha calcula que pode receber até 500.000 refugiados por ano
Alemanha destina 26 bilhões de reais para acolher refugiados
Refugiados embarcam no trem da esperança
Papa pede que cada paróquia acolha uma família de refugiados
Como ajudar os refugiados sírios no Brasil e no mundo?
Comissão Europeia pede que países acolham mais 120.000 refugiados
David Cameron cede à pressão e Reino Unido vai acolher mais refugiados

A cena vergonhosa aconteceu nesta terça-feira na fronteira húngara com a Sérvia, nas imediações de Röszke, principal ponto de passagem para o espaço Schengen, utilizado na atual crise migratória por milhares de refugiados que procuram chegar até a Áustria ou a Alemanha. A repórter da rede N1TV, que atinge até mesmo um migrante com uma criança no colo, como se vê claramente no vídeo que deu a volta ao mundo, chama-se Petra László, segundo o portal 444.hu, citado pela Reuters. A emissora disse ainda que László não tentou "dar explicações" para tentar justificar seu comportamento e que decidiu "desaparecer". Ela desligou o telefone celular e estaria incomunicável.

Em declarações ao EL PAÍS, o máximo responsável do canal de televisão, Szabolcs Kisber, assegura que o comportamento de László "não corresponde com os valores da televisão, tanto a nível humano como profissional. É inadmissível". Kisber, de 38 anos, indica que N1TV possui uma linha editorial "cristã e conservadora", mas se baseia em "valores de respeito" com relação aos demais. Destaca que o canal (para o qual 15 jornalistas trabalham) é independente e, ainda que emita de forma gratuita pela Internet, se financia através de uma fundação, que é a sua proprietária.

Dois partidos da oposição entraram com ações na Justiça contra a jornalista. Um deles é a Coalizão Democrática, liderada por Ferenc Gyurcsány, que foi primeiro-ministro entre 2004 e 2009, um partido oriundo de uma cisão entre os socialistas. O outro partido que entrou com ação contra a jornalista é o Diálogo pela Hungria, também de esquerda, mas com pequena representação no parlamento húngaro.

O Comitê de Helsinque para os direitos humanos indicou que, como a repórter chutou várias pessoas, pode ser condenada a cumprir de 1 a 7 anos de prisão, uma vez que a violência foi direcionada contra membros de um grupo específico.

Uma pesquisa registra que 66% da população húngara vê os refugiados como uma ameaça à estabilidade de seu país. Milhares de pessoas, porém, tem se posicionado a seu favor durante a atual crise, mobilizando-se para ajudá-los, apesar do repúdio explícito manifestado pelo Governo àquilo que considera uma invasão.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_