Bruxelas pede solidariedade aos países diante da crise migratória mundial

“A União Europeia jamais rechaçará quem precisa de proteção”, afirma o vice-presidente da Comissão, Frans Timmermans

Imigrantes na fronteira entre Macedônia e Grécia em 28 de agosto.
Imigrantes na fronteira entre Macedônia e Grécia em 28 de agosto.VASSIL DONEV

A Europa começa a se mobilizar de maneira mais contundente diante da crise migratória das últimas semanas, a mais grave registrada no continente desde a Segunda Guerra Mundial. Frans Timmermans, vice-presidente da Comissão Europeia, afirmou nesta segunda-feira em Calais (França) que o Executivo da comunidade europeia está “decidida e plenamente mobilizado” para enfrentar o problema e acolher centenas de milhares de pessoas que fogem da guerra e da miséria. “A União Europeia jamais rechaçará quem precisa de proteção”, afirmou.

Mais informações

Timmermans visitou Calais, onde se aglomeram cerca de 3.000 migrantes que pretendem passar para a Inglaterra, acompanhado do primeiro-ministro francês, Manuel Valls, do comissário de Justiça e Interior, Dimitris Avramopoulos, e do ministro do Interior francês, Bernard Cazeneuve. Segundo Valls, foi uma visita “simbólica”, num momento em que a avalanche migratória se transformou na principal preocupação da União Europeia.

Trata-se de uma “crise mundial”, que requer uma “resposta europeia”, destacou Timmermans. Em seu discurso, o vice-presidente incorporou boa parte das propostas franco-germânicas para tentar abreviar a crise. Entre elas, a instituição de uma política europeia comum de asilo, a criação de uma guarda europeia de fronteiras unificada e a elaboração de uma lista de países “seguros” cujos cidadãos não teriam direito de solicitar asilo na União Europeia, como no caso dos Bálcãs, mencionados explicitamente por Timmermans.

O vice-presidente da Comissão defendeu, ainda, a adoção de uma proposta comunitária bem mais polêmica: a “distribuição equitativa” das centenas de milhares de refugiados que tem direito de pedir asilo na União Europeia. “Ninguém pode se esconder”, disse ele, referindo-se a países como Inglaterra, Hungria e Espanha, que se negam a receber refugiados. Timmermans pediu “solidariedade” e “respeito” às regras e aos valores da União Europeia, para, em seguida, recordar que o problema atinge “todos os países” e que não há “soluções nacionais”.

Valls e Timmermans avaliam que a crise será “duradoura” e que, caso não sejam adotadas soluções “urgentes e eficazes” em nível europeu, o perigo do “populismo e da xenofobia” irá aumentar, como destacou o vice-presidente da Comissão.

Como um primeiro passo no sentido de se avançar para possíveis soluções, a atual presidência luxemburguesa da União Europeia convocou para o próximo dia 14 uma reunião extraordinária dos ministros de Justiça e Interior dos “28”, um encontro reivindicado no final da semana passada pela França, Alemanha e Inglaterra. “A situação do fenômeno migratório fora e dentro da União Europeia atingiu recentemente proporções inéditas”, destacou a presidência luxemburguesa.

Nessa reunião de ministros, a agência europeia de vigilância de fronteiras (Frontex) apresentará os dados referentes aos fluxos migratórios. Os ministros avaliarão o andamento das políticas de expulsões de migrantes sem direito de asilo e as formas de reforçar a luta contra os traficantes de seres humanos.

Na Áustria, onde, na última quinta-feira, foram encontrados 71 cadáveres de migrantes em um caminhão, a ministra do Interior, Johanna Mikl-Leitner, anunciou o endurecimento das penas relacionadas aos casos de tráfico de pessoas. Em termos imediatos, serão reforçados os controles a fim de detectar veículos suspeitos.

A UE registrou 340.000 entradas irregulares desde o começo do ano, assegura Valls 

Durante sua visita a Calais, Valls afirmou que, desde janeiro deste ano, registraram-se 340 mil ingressos irregulares no espaço Schengen (área dos países europeus em que as fronteiras são abertas) . “A Europa está diante de uma enorme responsabilidade”. Para assumi-la, o primeiro-ministro francês falou na necessidade de “humanidade, responsabilidade e firmeza”. Humanidade a fim de conferir um tratamento digno aos migrantes. Responsabilidade para que todos os países se envolvam. Negar a distribuição de refugiados, comentou ele, “vai de encontro ao espírito europeu, e não podemos admitir isso”.

A Comissão Europeia, segundo anúncio feito por Timmermans, fará um aporte de 5 milhões de euros à França para a construção de um alojamento com capacidade para abrigar 1,5 mil pessoas em Calais.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: