Bebê é resgatado em tubulação de banheiro público em Pequim

Política do filho único leva 10.000 crianças a serem abandonadas por ano na China

Policial segura o bebê depois do resgate.
Policial segura o bebê depois do resgate.

A polícia de Pequim (China) conseguiu resgatar no domingo uma recém-nascida que estava presa na tubulação de um banheiro público da capital chinesa. Os agentes foram chamados por moradores das redondezas que escutaram um choro contínuo vindo de dentro de um dos toaletes. “A cabeça do bebê estava para baixo e quase todo o seu corpo já havia caído pela privada. Só era possível ver os pés dela, de lado”, relatou o agente Qian Feng, responsável pelo resgate, ao jornal local Beijing Times.

Inicialmente o policial cogitou pedir reforços para desmontar completamente o vaso sanitário, mas, para não perder mais tempo, decidiu tentar retirar a menina com as próprias mãos. "Ela não parava de chorar. Voltei a olhar e achei que deveria tentar tirá-la, apesar de as chances serem ínfimas”, disse Qian. Imagens gravadas pela Polícia pequinesa mostram o agente ajoelhado e com o braço direito dentro da privada, tentando puxar o bebê.

Ao tirá-la de lá, vários moradores cobriram a menina com mantas e a levaram imediatamente para um hospital, segundo o jornal. Os boletins médicos indicam que a recém-nascida se encontra em situação estável e fora de perigo. A polícia chinesa procura agora os pais da menina. Levando-se em conta a quantidade de sangue no lugar do incidente e as características do bebê, os agentes calculam que a mãe abandonou a menina no banheiro logo depois de pari-la.

Mais informações

Este não é o primeiro caso de um recém-nascido resgatado em circunstâncias similares na China. Há dois anos, outro bebê foi retirado das tubulações de uma privada na província de Zhejiang (leste). A mãe havia escondido a gestação e decidiu dar à luz em segredo, no banheiro de casa. Naquela ocasião, as equipes de resgates tiveram de retirar a tubulação e cortá-la, pedaço por pedaço, num hospital próximo. O bebê sofreu alguns cortes, mas sobreviveu. A mãe relatou posteriormente que o pai do menino se desvinculou da gravidez e que ela não pôde abortar por falta de dinheiro. A mulher negou, no entanto, que tivesse a intenção de se desfazer do bebê, alegando que ele lhe escapou das mãos após o parto e ficou preso na tubulação. A polícia decidiu tratar o caso como um acidente.

Com o atual desenvolvimento econômico da China, os casos de abandono de bebês diminuíram drasticamente, mas ainda assim calcula-se que 10.000 crianças sejam abandonadas por ano na China. A chamada política do filho único -- flexibilizada há dois anos para que cada casal possa ter um segundo filho – foi durante anos uma das causas desse fenômeno, já que muitos pais não tinham como arcar com as multas decorrentes de ter uma prole mais numerosa.

Outros fatores econômicos e culturais, como a preferência pelos filhos homens e a pressão social decorrente de criar um filho nascido fora do casamento, também contribuíam para o abandono – e até o tráfico – de recém-nascidos no país.