_
_
_
_

Marina Silva prega o afastamento de denunciados, e Renan elogia Cunha

Ex-ministra rompe silêncio em artigo e alerta para o risco de "tentativa de sabotagem" Já o presidente do Senado elogia a atuação de Eduardo Cunha à frente da Câmara

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

A ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva.
A ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva.Divulgação

Marina Silva, ex-ministra do Meio Ambiente e terceira candidata à Presidência da República mais votada nas duas últimas eleições - 2010 e 2014 - rompeu o silêncio que mantinha e falou sobre a crise política que assola Brasília desde o início da Operação Lava Jato. Em artigo publicado neste domingo no blog do jornalista Matheus Leitão, Marina Silva defendeu que os políticos que eventualmente sejam denunciados pelo Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal (STF) sejam afastados do cargo, para que não haja o risco de tentativa de interferência nas decisões. O artigo de Marina surge apenas poucos dias após a Polícia Federal obter o aval da Corte para direcionar os holofotes da investigação sobre os políticos, na fase intitulada Politeia.

"Quando as investigações resultarem em provas e denúncias formais ao Supremo Tribunal Federal, devemos exigir o afastamento dos que ocupam cargos cujos poderes possam interferir nas decisões. Mas desde já precisamos estar atentos contra qualquer tentativa de sabotagem."

Mais informações
Reações de Cunha inflam o ‘fantasma’ sobre impeachment de Dilma
Eduardo Cunha vai do céu ao inferno após seis meses ‘governando’ o Brasil
Vendem-se milagres!, por LUIZ RUFFATO
Na TV, Cunha fala da ditadura e diz que Legislativo agora é autônomo
“Ainda é cedo para dizer que Eduardo Cunha sairá debilitado”
‘Lista maldita’ da Lava Jato sacode política brasileira
Lista da Lava Jato coloca em xeque relação entre PT e PMDB
Guia básico para entender o que o ajuste fiscal 2015 muda na sua vida

A declaração também ocorre pouco depois do vazamento de depoimentos que envolvem o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, na trama. Acusado pelo delator Júlio Camargo de ter cobrado 5 milhões de dólares em propina para facilitar contratos com a Petrobras, o peemedebista anunciou o rompimento com o Governo e tirou da gaveta os pedidos de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff. Em uma crítica direta a Cunha, Marina Silva defendeu que a manutenção das "bases institucionais democráticas que construímos a duras pena".

"Se a manipulação da crise foi o modo como o presidente da Câmara encontrou para aumentar seu poder, é normal que ele agora tente explicar as denúncias de corrupção que recebe como sendo manipulação dos outros – o Governo, no caso. Não há novidade nisso e boa parte dos que saem gritando 'fora Cunha' parecem querer apenas aproveitar a oportunidade de apontar um novo inimigo público para desviar a atenção dos gritos de 'fora Dilma'", completou. 

Crítica por um lado, elogio de outro

Se por um lado Eduardo Cunha é um dos principais alvos da crítica de Marina Silva, por outro, o peemedebista foi defendido pelo colega de partido Renan Calheiros, presidente do Senado. Em um vídeo de quase 17 minutos publicado na última sexta-feira (17), o senador faz um balanço do primeiro semestre do Legislativo e exalta a boa relação que mantém com o colega. 

"Acho que a atuação dele [Cunha], sua independência, colaborou muito para este momento do Congresso Nacional", afirmou Calheiros.

Assim como Cunha, Calheiros também está na mira das investigações da Lava Jato, à qual ele se esforçou para tentar desqualificar em seu pronunciamento. "[A investigação da Lava Jato] é como um disco arranhado, ventilador repetitivo, sem nenhum fato novo", acrescentou.

Já ao falar sobre a crise política e econômica que o país atravessa, o presidente do Senado diz esperar por "meses nebulosos" após o recesso parlamentar mas, embora não atue como aliado do Governo, destacou que a "disposição do Congresso Nacional é de colaboração". O parlamentar, contudo, voltou a criticar o ajuste fiscal do Governo Dilma, a que classificou como "insuficiente e tacanho", voltando a propor o corte dos ministérios e o enxugamento máquina pública. "É enxugar gelo até ele derreter".

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_