VIAGEM DO PAPA NA AMÉRICA LATINA

Papa Francisco visita o inferno da Bolívia

Francisco conhece a perigosa prisão de Palmasola e denuncia a lentidão da justiça

Francisco sai da prisão de Palmasola (Santa Cruz, Bolívia).
Francisco sai da prisão de Palmasola (Santa Cruz, Bolívia).Martin Alipaz (EFE)

Entre os 15.000 presos da Bolívia, 84% ainda estão à espera de julgamento, em alguns casos há mais de uma década, e as 53 penitenciárias do país ultrapassam em 300% a sua capacidade. As condições de descontrole, periculosidade e superlotação são tão terríveis – como em muitos países latino-americanos, incluindo o Brasil – que um dos reclusos da prisão de Palmasola (Santa Cruz) as descreveu assim ao papa Francisco: “Quando cheguei, isto me pareceu Sodoma e Gomorra”.

Jorge Mario Bergoglio quis que seu último ato na Bolívia antes de partir para o Paraguai fosse uma visita a um dos centros de reclusão mais perigosos da América Latina, uma espécie de cidade em miniatura que na atualidade abriga mais de 3.000 presos, e onde os detidos menores de idade estão misturados a maiores, alguns dos quais dispõem de casas e até de empregados. Há alguns anos, uma briga entre detentos pelo controle da penitenciária deixou 35 mortos, incluindo uma criança.

MAIS INFORMAÇÕES

“Vocês poderiam se perguntar quem está diante de vocês”, disse Francisco, dirigindo-se aos presos. “E eu gostaria de lhes responder a essa pergunta com uma certeza que marcou minha vida para sempre: quem está diante de vocês é um homem perdoado”.

Depois de reforçar na quinta-feira seu papel de líder mundial, ao se reunir com movimentos populares, Francisco foi na sexta-feira simplesmente um pastor que se aproxima das ovelhas mais feridas do rebanho para reconfortá-las. Escutou-os primeiro quando, pela boca de uma detenta, lhe disseram: “Admitimos nossas culpas pelos crimes que cometemos, mas, como mulheres, sofremos o abuso do poder. Imploramos justiça em seu nome. Que seja nosso intermediário para que se cumpra na Bolívia um indulto às mulheres grávidas e às mulheres condenadas a 30 anos e que já cumpriram um terço da sua pena”.

Depois de reforçar na quinta-feira seu papel de líder mundial, Francisco foi na sexta-feira simplesmente um pastor que se aproxima das ovelhas mais feridas do rebanho para reconfortá-las

O Papa também escutou uma radiografia da situação carcerária apresentada por Jesus Juárez Párraga, arcebispo de Sucre e coordenador nacional da pastoral carcerária da Igreja Católica. “Somos testemunhas”, disse Juárez, “das angústias de nossos irmãos e irmãs presos. Sentimos neles o signo contraditório de serem vítimas e perpetradores, a evidência de uma sociedade que produz pobreza, desigualdades e violência”. O arcebispo afirmou que a administração judicial boliviana é “uma flagrante violadora de direitos”.

Ao tomar a palavra, Bergoglio disse estar consciente das duras condições de vida dos reclusos. “Sei bem que são muitos os elementos que jogam contra neste lugar. A superlotação, a lentidão da Justiça, a falta de terapias ocupacionais e de políticas de reabilitação, a violência…”. E por isso lançou duas propostas. A primeira, como Papa: “Se em algum momento estiverem tristes, se sentirem mal, para baixo, olhem o rosto de Jesus Cristo. Em suas chagas, encontram lugar as nossas chagas. Ele morreu por você, por mim, para nos dar sua mão e nos levantar”. O segundo, como amigo: “Não podem dar tudo por perdido. A convivência depende em parte de vocês. Ajudem-se entre vocês. Não tenham medo de se ajudarem. O demônio procura a rivalidade, a divisão, os bandos. Lutem para irem para frente”.

Depois de dois dias na Bolívia, onde visitou La Paz e Santa Cruz de la Sierra, o Papa voou para o Paraguai, terceira e última etapa da sua primeira viagem à América de língua espanhola.

Arquivado Em: