As lágrimas que ajudaram a acabar com a bandeira confederada

Discurso de congressista da Carolina do Sul marcou votação para arriar símbolo racista

Jenny Horne, durante sua intervenção.J. Bazemore / AP

Ela é republicana. É loira. É o protótipo da branca sulista. E, além disso, é descendente de Jefferson Davis, o presidente da Confederação que reuniu os Estados do Sul durante a Guerra Civil Americana (1861-1865), os que então apoiavam a manutenção da escravidão. Mas a congressista Jenny Anderson Horne é, desde a madrugada de quarta-feira para quinta-feira, sobretudo –ou por tudo o que foi dito acima– a principal artífice de que a Carolina do Sul tenha encerrado, finalmente, um capítulo fundamental desse conflito que terminou oficialmente há 150 anos.

MAIS INFORMAÇÕES

Nesta quinta-feira, a governadora da Carolina do Sul, Nikki Haley, assina uma lei que permitirá remover a bandeira confederada do prédio do Capitólio do Estado, onde tremula sem interrupção, mesmo depois da matança de nove negros numa igreja de Charleston por um supremacista branco que queria provocar uma guerra racial.

Mas o texto provavelmente não teria chegado à mesa do governador se não fossem as palavras apaixonadas de Horne, que representaram um ponto de inflexão no debate sobre um projeto de lei já aprovado pelo Senado estadual, mas cuja votação final a câmara baixa ameaçava bloquear.

Depois de mais de 12 horas de debate, o projeto de lei para levar a bandeira confederada do Capitólio a um museu parecia não ir a lugar algum. Mas então a congressista republicana nascida e criada na Carolina do Sul subiu ao pódio. Apoiada por seu indiscutível pedigree sulista, com seu discurso apaixonado, frequentemente interrompido por lágrimas de raiva e paixão, Horne conseguiu convencer um número de legisladores suficiente para aprovar o projeto de lei para retirar de uma vez por todas a controvertida bandeira do prédio do Capitólio do Estado do sulista.

“Não posso acreditar que não tenhamos coração nesta câmara para fazer algo significativo como retirar um símbolo do ódio destas terras na sexta-feira”, disse Horne entre lágrimas. “Para a viúva do senador Pinckney e suas duas filhas pequenas, isso seria como colocar sal na ferida”, alertou.

O senador Pinckney foi uma das nove vítimas do massacre que Dylann Roor cometeu na noite de 17 de junho na histórica igreja negra Emanuel, em Charleston. Seu corpo foi velado uma semana mais tarde no Capitólio, diante do qual ainda tremulava a bandeira confederada. E sua mesa no Senado permaneceu coberta por um tecido negro durante todos os debates para arriar de uma vez essa bandeira que, pelo menos desde a matança de Charleston –embora para muitos desde muito antes–tornou-se o símbolo mais visível de um passado de racismo ainda não superado. Embora, como se observou no debate parlamentar, os defensores da bandeira insistam em vê-la como um legado do passado dessa região do sul.

“Já ouvi o suficiente sobre legados. Eu, sim, tenho legado. Sou um descendente de Jefferson Davis, certo? Mas isso não importa, porque não se trata de Jenny Horne. Trata-se do povo da Carolina do Sul, que reclamou que esse símbolo do ódio seja removido das terras do Estado. E devemos seguir o exemplo do Senado, remover essa bandeira e fazê-lo já”, concluiu seu emocionado discurso a congressista. Pouco depois, já de madrugada, a lei foi aprovada por 94 votos a 20, permitindo que nesta sexta-feira a bandeira confederada seja levada, finalmente, para um museu.

“Não foi fácil. Não faltou emoção. Mas estou muito orgulhosa dos meus colegas por terem feito a coisa certa. A bandeira confederada será retirada”, comemorou, pelas redes sociais, a congressista republicana.

Arquivado Em: