Coluna
i

Francisco abriu uma brecha no divórcio?

Passo a passo, pedra a pedra, o Papa vai fazendo sua revolução na Igreja, dando primazia à realidade da vida e a seus dramas humanos

O papa Francisco lançou dias atrás, conversando com os fiéis na praça São Pedro, uma nova provocação à Igreja conservadora ao afirmar que “há casos em que a separação (matrimonial) é inevitável”. Estava abrindo uma brecha no dogma do divórcio?

Os cristãos começam a acostumar-se às provocações do papa Francisco, que continua lançando pedras para remover as posições atávicas de retrocesso da Igreja, que não se coadunam com as necessidades de um mundo que mudou.

MAIS INFORMAÇÕES

Francisco parece lançar essas pedras no lado da imobilidade religiosa com a maior das inocências e acaba surpreendendo pelo que contêm de revolucionário. Começou a fazer isso ao abordar o tema dos homossexuais, tabu para a Igreja, quando disse que quem é ele para julgá-los se Deus não o fazia.

Voltou com tudo ao recordar aos bispos que no mundo de hoje “existem formas diferentes de família”, dando a entender que a Igreja não pode deixar de lado o drama de milhões de casais que um dia decidiram separar-se e até formar um novo lar, e que acabaram sendo execrados pela Igreja, que lhes negou os sacramentos.

Até no tema mais delicado do aborto Francisco recordou que os sacerdotes precisam saber interpretar com misericórdia a dor de algumas mulheres que decidem desfazer-se da maternidade vitimadas por profundos dramas pessoais.

Francisco conhece o drama de milhões de divorciados católicos que desejariam poder continuar participando dos sacramentos sem serem proscritos nem condenados pela Igreja. Ou que atormentados por uma crise matrimonial desejariam romper seu compromisso. Conhece também a hipocrisia de certas sentenças do Tribunal da Rota Romana, que possui o poder de anular casamentos. Sabe muito bem Francisco que muitas pessoas importantes, ricas e famosas conseguiram de forma discutível a anulação do casamento por parte do tribunal eclesiástico. A Igreja afirma que não se trata de uma separação, mas de demonstrar que para aquele matrimônio, às vezes de anos, faltou algum requisito na hora de ser contraído e, portanto, era inválido.

Os cristãos começam a acostumar-se às provocações do papa Francisco, que continua lançando pedras para remover as posições atávicas de retrocesso da Igreja

Francisco sabe, porém, que a casuística da Igreja ao longo do tempo foi sendo enriquecida de motivos que foram facilitando a anulação, como a “falta de discernimento” de um dos cônjuges ou a “dificuldade de ser fiel no matrimônio”. As crônicas incluem até casos de separação de casais por não ter sido consumado o casamento, apesar de terem tido vários filhos.

Francisco sabe que a Igreja nunca admitirá o divórcio civil, pois considera o matrimônio religioso indissolúvel. Não ignora ao mesmo tempo que hoje quase a metade dos casamentos já se romperam pelo menos uma vez, inclusive entre os católicos.

O que o Papa fez? Lançar uma de suas provocações. Sem pronunciar a palavra “divórcio”, que causa horror à Igreja conservadora, falou de “separação”. E justificou um possível divórcio dos cristãos com estas palavras: “Há casos em que a separação é inevitável, às vezes até moralmente necessária, para afastar os filhos da violência e da exploração”.

Francisco se referiu às “feridas produzidas na convivência familiar”. Segundo ele, que gosta de ressaltar a realidade da vida e das coisas sem petrificá-las com fórmulas dogmáticas, trata-se daqueles casos nos quais a relação, “em vez de expressar amor, fere os afetos mais queridos, provocando profundas feridas entre o marido e a mulher”.

Quem acaba pagando o preço mais alto por essas violências familiares? Os filhos, diz Francisco. Por tudo isso, segundo o Papa, às vezes essa separação conjugal, chame-se ou não divórcio, pode ser “inevitável e moralmente necessária”.

Já é objeto de estudo na Igreja e fora dela a forma escolhida pelo jesuíta para abordar e revisar algumas verdades impostas pela Igreja ao longo dos séculos. Francisco não ataca diretamente verdades consideradas dogmas de fé ou de moral. Ele o faz de forma oblíqua, olhando não para a lei escrita, mas para a realidade de cada caso concreto da vida.

Francisco não ataca diretamente verdades consideradas dogmas de fé ou de moral. Ele o faz de forma oblíqua, olhando não para a lei escrita, mas para a realidade de cada caso concreto da vida

Nisso ele se parece com o profeta de Nazaré quando provocado pelos fariseus, que levaram até ele uma mulher surpreendida em adultério e o lembraram de que a lei judaica mandava lapidá-la. Jesus não nega a lei nem diz que precisa ser abolida. Ele se concentra naquele caso concreto, chama a atenção para a hipocrisia dos acusadores, muitos deles provavelmente mais adúlteros do que aquela mulher, e os provoca dizendo que aquele que “estiver livre de pecado” pode começar a apedrejá-la. O Evangelho conta que “todos se foram, a começar pelos mais velhos”. Jesus salvou a vida da mulher adúltera sem condená-la e sem atacar a lei.

Passo a passo, pedra a pedra, Francisco vai criando sua revolução na Igreja, dando primazia ao Evangelho da misericórdia e da compreensão da realidade humana, em vez das frias condenações e anátemas.

Tudo isso no estilo do Evangelho que proclama a primazia do perdão sobre a severidade da lei e que recorda que Jesus, de quem a Igreja não poderá nunca se separar sem trair suas origens, veio “para os doentes e não para os sãos”, para “os pecadores e não para os justos”.

Francisco deixou saber que já não vai viver muito.

Tomará esteja enganado. A Igreja e o mundo necessitam com urgência das provocações e do exemplo de vida pobre e despojada desse Papa compassivo em um mundo no qual os poderes – tanto o político como o religioso –apodrecem enfermos de corrupção com sede de castigos e vinganças.

Arquivado Em: