_
_
_
_

Mulher e bebê sobrevivem cinco dias na selva após acidente aéreo

Mãe e a criança escaparam ilesas e resistiram 5 dias comendo cocos e bebendo água

O avião no qual viajava María Nelly Murillo e seu filho de apenas oito meses caiu no último sábado. Eram os únicos passageiros, além do piloto. Haviam decolado em Nuquí, um destino turístico no Pacífico colombiano, em direção à capital de Chocó, mas depois de 20 minutos de voo, o avião desapareceu dos radares.

O acidente foi confirmado apenas algumas horas mais tarde, quando um helicóptero avistou o avião no meio da densa floresta que caracteriza essa região no noroeste do país.

Por enquanto, apenas se sabe que quando o avião caiu e começou a pegar fogo, ela conseguiu abrir uma das portas e sair correndo

Os agentes de resgate da Força Aérea e da Cruz Vermelha chegaram ao local do acidente no dia seguinte, no domingo pela manhã, e encontraram o corpo sem vida do piloto, Carlos Mario Ceballos, mas nenhum vestígio de María Murillo e seu filho. "Vimos como o avião estava, havia comida, alguns cocos descascados, como se tivessem sido utilizados para alimentação, não vimos o corpo dela em nenhum lugar, nem sequer encontrávamos vestígios de sangue", disse o agente Rafael Caviedes ao jornal El Tiempo.

Mais informações
Barco afunda com 700 imigrantes em acidente no Mediterrâneo
Itália ainda busca dezenas de desaparecidos da balsa incendiada
“Minha filha me ligou e disse: ‘Mamãe, rápido, começa a rezar’”

Na segunda-feira começou a busca pela mulher de 18 anos e seu filho, que sobreviveram ao acidente aéreo e então vagaram cinco dias pela densa floresta. As equipes de resgate foram encontrando pistas que mostravam que estavam vivos: um saco de fraldas abandonado, o celular de Murillo com um registro de 91 chamadas, uma de suas sandálias e até o documento de identificação do bebê. Do helicóptero também gritaram através de um alto-falante para que não se afastasse dos destroços do avião, para que pudesse ser encontrada. "Nelly, por favor, volte, estamos à sua procura", disse um agente de resgate à revista Semana.

Disse que dois índios a ajudaram. O bebê, milagrosamente, não ficou ferido e só está desidratado

A busca terminou com sucesso na quarta-feira. Murillo estava a cerca de 400 metros do acidente e sobreviveu comendo cocos e bebendo água de um riacho que estava no fundo de um barranco, onde fez uma cabana para proteger o bebê. "Ajuda, ajuda", gritou Murillo quando viu os agentes à distância, de acordo com Asisclo Rentería, voluntário da Cruz Vermelha Colombiana que a encontrou. "A senhora María Nelly estava quase desmaiada", contou.

Por enquanto, apenas se sabe que, de acordo com relatos iniciais de Murillo aos médicos que a atendem em um hospital de Chocó, quando o avião caiu e começou a pegar fogo, ela conseguiu abrir uma das portas e sair correndo. No entanto, depois voltou para buscar o filho e foi quando sofreu queimaduras no rosto, pernas e braços. Também disse que dois índios a ajudaram. O bebê, milagrosamente, não ficou ferido e só está desidratado.

As equipes de resgate também disseram que, após a queda do avião, a cabine ficou completamente destruída, mas a parte traseira, embora amassada, estava em boas condições. Murillo poderia ter resistido ao impacto porque o avião estava estava cheio de peixes grandes e cocos, os mesmos que utilizou para se alimentar.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_