China investe na América Latina

No Chile, premiê da China conclui série de acordos financeiros com a AL

Plano de investimento para a região alcança os 250 bilhões de dólares em 10 anos

O primeiro-ministro da China, Li Keqiang, em sua visita.
O primeiro-ministro da China, Li Keqiang, em sua visita.IVAN ALVARADO (REUTERS)

O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, encerrou na segunda-feira no Chile sua viagem pela América Latina, onde assinou o último de uma série de acordos para o investimento de 250 bilhões de dólares (cerca de 780 bilhões de reais) na região nos próximos 10 anos. Num sinal da importância dessa visita, a presidenta do Chile, Michelle Bachelet, dedicou sua agenda quase exclusivamente a acompanhar Li em seis eventos durante o dia. Antes de passar pelo Chile, o dirigente chinês já havia assinado ambiciosos acordos comerciais no Brasil, Colômbia e Peru.

Li participou de uma reunião ampliada das delegações no Palácio de La Moneda e, à noite, foi homenageado com um jantar no mesmo local, sede da presidência chilena. Ele e Bachelet assinaram uma série de tratados, incluindo um que evita a dupla tributação e outro, entre os respectivos bancos centrais, para swaps cambiais. A cooperação financeira entre os dois países é crucial neste momento, pois em breve começara a funcionar no Chile o Banco Chinês da Construção, o segundo mais importante do país asiático.

MAIS INFORMAÇÕES

“Temos uma relação comercial muito profunda, e [a China] é nosso principal sócio comercial. Esta relação é frutífera e continua se fortalecendo”, observou o ministro da Fazenda de Bachelet, Rodrigo Valdés, depois de participar da assinatura dos tratados no La Moneda.

O Chile foi o primeiro país sul-americano a reconhecer a República Popular da China, há exatos 45 anos, e o primeiro a assinar um acordo de livre comércio. Mas, apesar de ter se tornado o terceiro principal sócio comercial da China na região, os chilenos ficaram para trás como receptores de investimentos chineses até agora. Este, entretanto, é um momento decisivo para as economias de ambos os lados do Pacífico: devido ao menor ritmo de crescimento previsto para nos próximos anos, tanto na China como na América Latina, o comércio bilateral não continuará expandindo-se a taxas tão elevadas, por isso é preciso procurar novas oportunidades.

De acordo com um documento divulgado na segunda-feira pela CEPAL (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe), a diversificação das exportações é o principal desafio da América Latina em sua relação comercial com a China. Apesar de o comércio bilateral ter crescido 22 vezes entre 2000 e 2014, 75% das exportações latino-americanas para o gigante asiático continuam se concentrando em uma limitada cesta de produtos.

O Chile foi o primeiro país sul-americano a reconhecer a República Popular da China, há exatos 45 anos, e o primeiro a assinar um acordo de livre comércio

“Para reverter a preocupante reprimarização exportadora é preciso obter avanços em produtividade, inovação, infraestrutura, logística e formação e capacitação de recursos humanos. Esses avanços são fundamentais para crescer com igualdade, em um contexto de acelerada mudança tecnológica”, afirmou Alicia Bárcena, secretária executiva da CEPAL.

A inesgotável disposição financeira da China para tecer alianças e conquistar poder e influência na América Latina ficou clara na atual viagem de Li, que teve início há uma semana no Brasil, onde Li e a presidenta Dilma Rousseff assinaram 35 acordos de investimento num valor de 53 bilhões de dólares (164,3 bilhões de reais) e avançaram em um projeto chamativo: a ferrovia transoceânica, que será construída com capital chinês para ligar o Atlântico ao Pacífico, atravessando o Brasil de leste a oeste.

Arquivado Em: