Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Adolescência no banco dos réus

Especialistas debatem PEC cujo apoio se alimenta de um Estado incapaz de garantir a vida

Militante contra a redução da maioridade penal no Rio. Ampliar foto
Militante contra a redução da maioridade penal no Rio. ABr

Na inflamada discussão pautada pela PEC em prol da redução da maioridade penal, uma figura deveria ser a central: o adolescente em conflito com a lei. Mas será mesmo que é dele que estamos falando? Especialistas reunidos em São Paulo em um debate organizado pelo Ministério Público e pela Defensoria de São Paulo e instituições civis, acreditam que não. Em meio ao afã popular de reduzir a criminalidade, quem anda aparecendo mais é o adolescente em conflito com a sociedade. Ou melhor: a sociedade em conflito com o adolescente.

O encontro, aberto ao público, foi convocado com o intuito de reunir experts em saúde, violência, justiça e educação para analisar os possíveis impactos da responsabilização penal aos 16 anos – e não aos 18, como acontece hoje no Brasil e na maior parte do mundo. Todos os participantes se alinharam contra a redução da maioridade penal, e, de acordo com as palavras do procurador geral de justiça de São Paulo, Marcio Elias Rosa, que presidiu os trabalhos, acreditam que a PEC 171/93 “não se justifica sob nenhum aspecto”.

PP faz 'programa policial' para defender redução da maioridade

Adolescência no banco dos réus Ver vídeo

O Partido Progressista, em crise por ser a sigla com maior número de parlamentares investigados no escândalo da Petrobras, resolveu usar seus dez minutos de propaganda eleitoral gratuita para tentar se colar à proposta de redução da maioridade penal que tramita na Câmara, um tema com apelo popular.

"As leis garantem direitos demais e isso estimula a impunidade, mas os parlamentares do PP não estão de braços cruzados", diz o apresentador, de voz exaltada, antes de introduzir o presidente do partido, senador Ciro Nogueira, um dos 31 investigados do partido no escândalo da Petrobras.

Tudo no programa, que além da fala dos parlamentares exibiu depoimento de eleitores, remetia à estética dos programas policiais na TV, com o locutor emulando o estilo de José Luiz Datena. 

Segundo o Datafolha, 87% apoiam a mudança da maioridade penal de 18 para 16 anos. Entre os favoráveis, a maioria (74%) quer que a nova idade valha para qualquer crime, enquanto 26% creem que a redução deve valer apenas para alguns delitos.

Em cada área de conhecimento, profissionais e acadêmicos deram seu aporte para elucidar essa ideia, mas concluíram que nenhuma ciência é capaz de dar respostas absolutas e que a saída para o atual embate será uma construção coletiva. A questão, eles dizem, é como queremos tratar os nossos jovens. “Não é cabível lançar essa pergunta [se a idade deve baixar] à ciência, porque a responsabilidade pelos próprios atos é uma decisão social”, afirmou o psiquiatra Daniel Martins de Barros, coordenador do Núcleo de Psiquiatria Forense do Hospital das Clínicas. Em sua fala, Daniel de Barros expôs os estágios do desenvolvimento cerebral humano e explicou que a região frontal do cérebro – a responsável pelo autocontrole e a projeção de futuro – é a última a ficar pronta. “Esse amadurecimento só se dá no início da idade adulta, por volta dos 18, 20 anos”, explicou. Por essa razão, a maioridade penal costuma ser fixada em 18 anos, já que o ser humano “não só deve ser consciente do que faz, ele também precisa ter autocontrole”.

Para o sociólogo Renato Sérgio de Lima, vice-presidente do Conselho de Administração do Fórum de Segurança Pública e pesquisador do Núcleo de Estudos da Violência da Fundação Getúlio Vargas, a questão é muito mais complexa, porque “vivemos atualmente uma enorme disputa por narrativas” – ou seja, modos de enxergar e conduzir as coisas. De um lado, Renato sinaliza a falha de um “Estado extremamente ineficiente em garantir a vida” e, de outro, uma “narrativa extremamente punitivista” de uma população que quer se livrar do crime procurando a quem culpar. “A violência nos levou a um modelo de enfrentamento que não se mostra eficiente. E agora queremos aplicar o mesmo remédio para diminuir a criminalidade entre os jovens?”, questiona. Se a maioridade penal for reduzida, na visão do especialista, o destino dos jovens infratores passará às mãos da polícia. “Nossa sociedade dotou de protagonismo uma instituição que, na prática, é a responsável pelo combate aos crimes, como se fossem heróis. É a polícia quem faz as prisões em flagrante, que no Brasil determina a investigação criminal. Na prática, o que está em debate é como o Estado está deixando a PM atuar em seu lugar”. Com o nível de truculência de uma polícia que é considerada das mais violentas do mundo, há muito o que temer.

Convidado para falar na área do direito, Oscar Vilhena Vieira, advogado e diretor da Direito SP, onde leciona, adverte também que a lei não pode assumir a função da política e "ser usada para superar as fragilidades da nossa vida social". Retomando a discussão sobre a inconstitucionalidade da PEC, cuja admissibilidade foi aprovada pela Câmara por 42 votos a 17, Vilhena recordou casos de emendas constitucionais que terminaram sendo barradas pelo Supremo Tribunal Federal, entre elas a cobrança da CPMF, considerada inconstitucional em 2007. “Essa [da idade penal] me parece uma cláusula muito mais pétrea que as demais. Se o Supremo for coerente com seu histórico de proteger a Constituição, a PEC 171 não deve passar”, analisou.

Por fim, a pedagoga Lavínia Magiolino ofereceu à discussão o enfoque da Educação, recordando como, sobretudo na mídia, o adolescente é visto como o algoz da sociedade. “Para se referir a ele, são frequentemente usados termos como ‘o menor’, ‘o infrator’… Fica evidente que a sociedade aprendeu a vê-lo como ‘aquele que não pode nem merece ser educado’”, diz a professora e pesquisadora da Unicamp – para quem o Estatuto da Criança e do Adolescente, responsável por punir o jovem em conflito com a lei, é erroneamente visto apenas como um garantidor de direitos, quando estabelece também os deveres que ele têm.

No desfecho do encontro, o procurador Jefferson Aparecido Dias, membro da Red de Niñez y Adolescencia da Federación Iberoamericana del Ombudsman, trouxe à tona o exemplo vivido pelo Uruguai em relação à redução da maioridade penal no ano passado. “Assim como no Brasil, a sociedade uruguaia era amplamente a favor da redução. Foi proposto um plebiscito, do qual se esperava apenas a confirmação dessa visão, mas que, depois de uma campanha de esclarecimento sobre os possíveis efeitos da medida, terminou pendendo fortemente para o lado do não”. Para ele, assim como os demais, há esperança de deslocar a energia que está sendo gasta com a PEC 171/93 para “outros e mais urgentes” debates.

MAIS INFORMAÇÕES