Falta de base legal torna impeachment de Dilma inviável

Maioria que foi às ruas nas manifestações pelo Brasil quer a saída da presidenta petista, mas não crê em impugnação

Em São Paulo, faixa cobra a saída de Dilma do Governo.
Em São Paulo, faixa cobra a saída de Dilma do Governo. Miguel Schincariol (AFP)

A maioria das pessoas que foi às ruas protestar novamente contra o Governo neste domingo quer o impeachment da presidenta Dilma Rousseff: 77%, segundo um levantamento do instituto Datafolha durante a manifestação. Mas, se por um lado o clima de descontentamento com o Governo é a maior motivação para que os participantes marchem pelas ruas, por outro, poucos acreditam que o comando da Administração vá mudar. Segundo a mesma pesquisa, 56% não acreditam que Dilma será afastada da presidência. “Eu quero [o impeachment], mas não acredito que isso vá acontecer. A questão é provocar uma reflexão no Governo”, disse a administradora Lilian Valério Martelleto, 57 anos, que carregava um cartaz comparando o PT a “um câncer do país”.

Talvez por essa descrença, apenas 13% dos manifestantes que estavam nas ruas neste domingo em São Paulo protestavam pelo impeachment – contra 29% em março. O motivo principal de adesão ao movimento foi a indignação contra a corrupção (33%).

Mais informações

Para o advogado e doutor em Direito Público Caio Márcio de Brito Ávila, não há embasamento legal para o pedido de impeachment. “Juridicamente a chance de acontecer um impeachment hoje é zero”, disse. Maria Socorro Braga, cientista política da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar), concorda. “Até onde sabemos, não há conteúdo para impeachment”, diz.

Ainda assim, Carla Zambelli, que é gerente de controladoria e fundadora do grupo Nas Ruas, um dos grupos que convocou os protestos, listou quatro caminhos pelos quais Dilma poderia cair, de acordo com o movimento: “O primeiro é por impeachment, baseado no caso de corrupção da Petrobras; o segundo é por impugnação das eleições, porque as urnas foram fraudadas; o terceiro é pela cassação do PT, já que um partido político não pode ter ligação com um exército, e sabemos que, cada vez mais, a CUT [Central Única dos Trabalhadores] e o MST [Movimento dos Trabalhadores Sem Terra] provam que são um exército do PT”, diz. “E, finalmente, a Dilma pode renunciar. O PT está cada vez mais percebendo que ela está perdendo o controle e pode virar as costas para ela”, acredita. Para Braga, essas razões listadas por Zambelli não têm fundamento. “Todas essas condições são inconstitucionais”, diz a cientista política.

André Ramos Tavares, advogado e professor de direito da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e da Universidade de São Paulo, não há nada que justifique cassar um partido político no Brasil atualmente. “Se fosse comprovado que o partido tem atividades paramilitares ou recebe financiamento internacional, o que fere a soberania, isso seria possível", diz. "Mas não é o caso. Não há evidência de nenhuma dessas hipóteses. Portanto, cassar uma legenda nacional seria antidemocrático e ilegal.”

Juridicamente a chance de acontecer um impeachment hoje é zero Caio Márcio de Brito Ávila

Do ponto de vista legal, de pouco adianta que movimentos como o Movimento Brasil Livre (MBL), Nas Ruas e Vem Pra Rua tentem associá-la ao escândalo investigado na Petrobras. Isso porque, de acordo com a Constituição, “o Presidente da República, na vigência de seu mandato, não pode ser responsabilizado por atos estranhos ao exercício de suas funções”, mesmo se fosse comprovado o seu envolvimento com o esquema de corrupção. E esta teria sido justamente a razão pela qual o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu o arquivamento da apuração contra Rousseff: apesar de ter sido citada por alguns delatores da Operação Lava Jato, a presidenta assumiu o cargo em 1º de janeiro 2011, e como o foco da investigação é anterior a isso, a petista foi poupada.

Baixa popularidade não justifica impeachment

A má avaliação do Governo, por si só, não é razão para tirar um presidente do cargo, embora Dilma Rousseff venha enfrentando uma grave crise de popularidade. O mesmo Datafolha, no domingo, publicou uma pesquisa que mostra que 60% dos entrevistados consideram o Governo Dilma ruim ou péssimo (em março de 2013, esse índice era de apenas 7%), 27% o acham regular e apenas 13% o consideram ótimo ou bom. Mas descontentamento não é razão constitucional para impeachment. “Isso seria o caso mais para o chamado recall político [uma espécie de arrependimento eleitoral que permite a revogação do mandato de um político que tenha frustrado os eleitores], que é um recurso que existe em algumas unidades federativas dos EUA, por exemplo, mas que não é algo previsto na lei brasileira. Ou seja, não é uma opção no Brasil”, esclarece o advogado Caio Ávila.

Protesto em São Paulo contra corrupção.
Protesto em São Paulo contra corrupção.NACHO DOCE (REUTERS)

“O impeachment não é um processo de conveniência. Ele pode ter a sua carga política, mas é um processo jurídico excepcional. E não há hoje elementos para que ele ocorra. Julgar alguém que foi eleito democraticamente sem se apoiar em indícios fortes [da existência de crime de responsabilidade] é um disparate. O impeachment não pode ser um terceiro turno”, avalia Ramos Tavares.

O Brasil passou na história recente por um processo de impugnação presidencial, com o ex-presidente Fernando Collor, em 1992. Collor era acusado de comandar um esquema de corrupção com o tesoureiro de sua campanha, Paulo César Farias. O cenário político também era diferente: de um partido nanico, o PRN, Collor foi perdendo os frágeis apoios que tinha no Congresso.

Hoje, apenas o partido Solidariedade defende publicamente o impeachment de Dilma. A timidez dessa bandeira entre os quadros de oposição foi, aliás, um dos motivos de o PSDB ter sido alvo de críticas no domingo: o partido não tem se mobilizado pela impugnação e vários líderes tucanos já repudiaram a opção. Nos microfones, os organizadores questionavam a ausência de líderes do partido e a não articulação da oposição pelo impeachment, principalmente do senador e ex-presidenciável Aécio Neves, que recebeu votos de 83% dos manifestantes que estavam no ato de São Paulo, de acordo com a pesquisa.

Para Maria Socorro Braga, embora o movimento anti-Dilma diminua, esse “vai e volta” de manifestações prós e contra o Governo deve perdurar por todo o mandato de Rousseff. “Acredito que teremos quatro anos de manifestações."

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: