Netanyahu acredita que pacto nuclear é uma ameaça à existência de Israel

Primeiro-ministro assegura a Obama que o acordo aumenta o risco de uma nova guerra

Benjamin Netanyahu, em 31 de março.
Benjamin Netanyahu, em 31 de março.GALI TIBBON (EFE)

Para os dirigentes israelenses, a ameaça iraniana fica um pouco mais real após o acordo conseguido na quinta-feira em Lausanne (Suíça). Benjamin Netanyahu, o primeiro-ministro de Israel, transmitiu suas preocupações a Barack Obama por telefone. O acordo “é uma ameaça à existência de Israel”, disse o mandatário ao seu homólogo norte-americano.

Mark Regev, o porta-voz do primeiro-ministro, citou no Twitter alguns comentários da conversa telefônica que aconteceu horas depois de tornar-se público o acordo entre as seis potências e o Irã após oito sessões de negociações. O pacto, assegura Netanyahu, “não bloqueia o caminho do Irã para conseguir a bomba, o pavimenta. Aumenta o risco da proliferação nuclear e o de uma horrível guerra”.

Mais informações

O ministro de Assuntos Estratégicos, Yuval Steinitz, também lamentou o acordo conseguido na Suíça. “Os sorrisos de Lausanne estão desconectadas de nossa triste realidade”, afirmou em um comunicado.

Fontes governamentais israelenses, citadas pelo jornal Haaretz, qualificaram o acordo como um “erro histórico que transforma o mundo em um lugar muito mais perigoso”. Segundo essas fontes, o acordo-marco “dá legitimidade internacional ao programa nuclear iraniano”, que “não tem a paz como objetivo, mas a guerra”.

Quando as negociações entravam na reta final Netanyahu lembrou “o terrorismo e as agressões” do Irã e instou a conseguir um pacto “que reduza consideravelmente as capacidades nucleares de Teerã”.

“Continuaremos nos esforçando para explicar e convencer o mundo na esperança de evitar um acordo definitivo ruim” em junho, prometeu Steinitz na quinta-feira. Horas antes, ele afirmou que Israel não descartava a opção militar para combater a ameaça iraniana.

Nos últimos dias, Netanyahu repetiu insistentemente o que vem dizendo há meses e o que a maior parte da população acredita: os israelenses não podem fechar os olhos diante “do perigo existencial” que um Irã nuclear representa para eles e têm “a obrigação de se defender”.

O Governo israelense considera que somente o isolamento internacional, um aumento das sanções econômicas contra o Irã e a interrupção total de suas atividades de enriquecimento de urânio podem impedir que Teerã se transforme em uma ameaça nuclear. Segundo disse Netanyahu na última semana de março, um acordo como o conseguido em Lausanne “reduzirá a menos de um ano” o tempo que o Irã precisa para conseguir uma arma atômica.

A ameaça iraniana foi um dos temas centrais da campanha eleitoral de Netanyahu, reeleito em 17 de março para o terceiro mandato consecutivo. Além disso, as negociações das seis potências e Israel foram uma das razões do recente esfriamento das relações entre os EUA e Israel. Há exatamente um mês, Netanyahu pronunciou um discurso no Congresso norte-americano sobre o perigo de conseguir um acordo sobre o programa nuclear de Teerã. “Se Israel precisar lutar sozinha, lutará sozinha”, garantiu.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: