Seleccione Edição
Login

Estados Unidos e Irã chegam a acordo sobre programa nuclear

Presidente iraniano, Rohani anuncia que as partes centrais do acordo foram acertadas

O vice-presidente dos EUA, John Kerry, no Twitter: “é um grande dia”

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.

Depois de uma semana de uma maratona de reuniões e dois dias após o prazo estabelecido para chegar a um acordo preliminar, as potências e o Irã chegaram nesta quinta-feira na Suíça a um entendimento conjunto sobre o programa nuclear iraniano. “Alcançadas soluções nos parâmetros essenciais no caso nuclear do Irã. A redação da minuta começará imediatamente para ser finalizada em 30 de junho”, escreveu em sua conta no Twitter o presidente do Irã, Hasan Rohani.

As principais divergências entre os negociadores foram o cronograma de suspensão das sanções ao Irã e a possibilidade ou não de prosseguir nas pesquisas nucleares

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, também escreveu no Twitter que as partes “agora têm parâmetros para resolver os grandes temas de um programa nuclear”. “De volta ao trabalho pronto para trabalhar num acordo final.” O Ministério do Exterior alemão também anunciou que se chegou a um “acordo sobre os pontos centrais”. E a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, disse ter “boas notícias”.

A delegação europeia anunciou que a União Europeia e o Irã farão uma declaração à imprensa na Suíça sobre as negociações do programa nuclear de Teerã. O comunicado conjunto, segundo um texto visto pela agência Reuters, indicará que foram feitos avanços suficientes para que as negociações prossigam até 30 de junho, a data estabelecida para um acordo definitivo.

As seis potências, com Estados Unidos à frente, e o Irã, negociam desde quinta-feira passada em Lausanne um acordo preliminar para restringir o programa nuclear. Está previsto que representantes do Irã e da União Europeia leiam por volta das 19h (hora local) na Suíça um comunicado conjunto, mas seu escopo é uma incógnita: não se sabe se será uma declaração sobre as linhas mestras de um acordo preliminar ou todos os detalhes técnicos que dividiram e paralisaram as negociações.

As principais divergências entre os negociadores foram o cronograma de suspensão — o Irã quer que seja imediata — das sanções internacionais, que estrangulam a economia iraniana e isolam o país. E em que grau será permitido ao Irã manter sua pesquisa nuclear em centrífugas avançadas.

Depois de 15 meses de negociações, as seis potências (Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia, China e Alemanha) querem que durante pelo menos 10 anos a capacidade nuclear iraniana esteja a um ano de distância de obter o material para produzir uma bomba. Em troca, suspenderiam as sanções contra o Irã, que nega que esteja desenvolvendo uma bomba nuclear, o que poderia alterar o equilíbrio geopolítico no Oriente Médio.

MAIS INFORMAÇÕES