A Argentina para de contar seus pobres

Governo já não mede a pobreza porque diz ser “complexo” e “causar estigma” Trata-se do único país latino-americano sem esses dados

Menina recolhe copos de plástico em um lixão.
Menina recolhe copos de plástico em um lixão.Enrique Marcarian (REUTERS)

O ministro da Economia da Argentina, Axel Kicillof, se meteu em uma confusão durante uma entrevista a uma emissora de rádio, na última quinta-feira, quando perguntado por que o Governo de Cristina Kirchner deixou de medir a porcentagem de pobres na população em 2014. Entre 2007 e 2013, os números oficiais foram criticados por subestimar o fenômeno. Kicillof, que se define como um economista da escola keynesiana e foi professor de marxismo na Universidade de Buenos Aires, respondeu: “A quantidade de pobres existente é uma pergunta muito complicada. Não tenho o número de pobres, me parece uma estatística que provoca muito estigma”. Não demorou para eclodir a polêmica com a oposição.

Mais informações

Na sexta-feira, o chefe do Gabinete de Ministros, Aníbal Fernández, defendeu o colega em sua conversa habitual com a imprensa na entrada de seu escritório: “Definir se um número a mais ou a menos nos diz qual é a quantidade de pobres... Não é tarefa do Governo a quantidade. A tarefa do Governo é cuidar do homem e da mulher de carne e osso, e de seus filhos, é cuidar de um país que tem que encontrar respostas para seu povo”. Ao mesmo tempo, Kicillof concedia uma entrevista a outra rádio para esclarecer: “Pegaram uma declaração isolada e armaram uma campanha contra mim e contra o Governo”.

Kicillof mencionou as discussões que existem hoje no meio acadêmico sobre qual é a melhor maneira de medir a pobreza. “Há muitos indicadores de pobreza porque o fenômeno é complexo. Em nenhum lugar do mundo ela é medida apenas com um único número. Por exemplo, a pobreza estrutural está relacionada com as necessidades básicas insatisfeitas, a qual, obviamente, medimos em cada censo [populacional, realizado a cada dez anos]. Ou a mortalidade infantil”, argumentou o ministro.

A Argentina é o único país da América Latina que deixou de medir a porcentagem de pessoas com renda abaixo do nível necessário para evitar a pobreza. Na sexta-feira, em vez de se referir a estigmas, Kicillof explicou que o país parou de contabilizar a questão porque é “complexo” convergir o índice de preços ao consumidor (IPC) de Buenos Aires, que era o que se media até 2013 e que subestimava a inflação em pelo menos 50%, e o novo IPC nacional, que começou a valer em 2014 e que, segundo a oposição, lança números ainda 33% menores que os reais.

“Não há dúvidas que houve redução da pobreza nestes 12 anos”, afirmou Kicillof. A dúvida é o que ocorreu no segundo Governo de Kirchner

“Não há dúvidas que houve uma enorme redução da pobreza nestes últimos 12 anos”, afirmou Kicillof, referindo-se aos Governos de Néstor Kirchner (2003-2007) e de sua sucessora e viúva (desde 2007). O ministro tem razão nesse sentido: a pobreza já não atinge 49,7% da população, como em 2003, mas sim cerca de 25% dela. A dúvida é o que ocorreu no segundo Governo de Cristina Kirchner, desde 2011.

O Centro de Pesquisa e Formação do braço kirchnerista da Central de Trabalhadores da Argentina (CTA), onde trabalharam atuais membros da equipe de Kicillof, questionou a veracidade das estatísticas oficiais desde 2007, mas admite uma queda de 20,1% em 2011 a 17,8% em 2013, bem acima dos 4,7% estimados pelo Governo. Os trabalhadores que se opuseram à intervenção governamental no Instituto Nacional de Estatística estimam que a quantidade de pobres aumentou de 18,2% em 2011 a 25,5% em 2014, ano da desvalorização do peso. A Universidade Católica Argentina (UCA) também adverte sobre uma alta de 22,9% a 25,6% em 2013. Agustín Salvia, pesquisador da UCA, atribui o suposto aumento ao impacto da inflação sobre as pessoas que atuam no mercado informal de empregos e sobre aqueles que trabalham por conta própria na economia afundada.