Atentado contra bar frequentado por ocidentais no Mali mata cinco pessoas

Com um fuzil, terrorista invadiu boate e gritou "morte aos brancos" antes de disparar Nigéria também sofre atentados com dezenas de mortos e feridos

O primeiro ataque terrorista ocorrido em Bamaco, a capital do Mali, desde que foi lançada, há dois anos, uma ofensiva contra grupos jihadistas no norte desse país africano deixou cinco mortos no sábado, entre eles um cidadão francês e outro belga, e nove feridos. Foi na rua Princesa, o coração da vida noturna da cidade. Pouco depois da meia-noite, um carro parou perto do do bar e discoteca La Terrasse, muito frequentado por ocidentais. Dele desceu um homem encapuzado que subiu as escadas do local e, depois de abrir as portas, começou a disparar com seu fuzil automático contra as pessoas que estavam no balcão e na pista de dança. Segundo testemunhas, ele gritou “morte aos brancos” pouco antes de abrir fogo. Depois, desceu as escadas e entrou no carro, onde seu cúmplice o esperava. Eles fugiram, mas no caminho se depararam com uma patrulha policial, com quem trocaram tiros.

Mais informações

Entre os mortos estão um francês de 30 anos que trabalhava para uma empresa norte-americana, um militar belga contratado como responsável de segurança pela delegação da União Europeia, um policial e um guarda malineses. Não foi divulgada a identidade da quinta pessoa morta, mas as autoridades informaram que também era de nacionalidade malinesa. Entre os feridos há três militares suíços e dois peritos em desativação de minas que pertenciam à Missão da ONU para a Estabilização do Mali (Minusma).

Imediatamente depois do atentado, a polícia lançou uma operação para tentar capturar seus autores, detendo dois suspeitos – que, segundo fontes ligadas à investigação, poderiam ter alguma informação sobre o ataque, mas não seriam seus autores materiais. Desde que o norte do Mali foi ocupado por grupos jihadistas, em 2012 – o que levou o Exército francês a iniciar, no ano seguinte, a operação Serval para expulsá-los –, a possibilidade de um ataque como o da madrugada de sábado na capital do país era prevista pelas forças de segurança. De fato, há dois anos se desarticulou em Bamaco uma célula adormecida do Movimento para a Unidade da Jihad na África Ocidental.

Em um comunicado, o presidente francês, François Hollande, manifestou sua solidariedade ao chefe de Estado malinês, Ibrahim Boubacar Keita, enquanto a Embaixada da França no Mali pediu “prudência” a seus cidadãos. O chanceler francês, Laurent Fabius, condenou o ataque “odioso e covarde”. As embaixadas ocidentais no Mali aconselharam seus cidadãos a não frequentar lugares públicos em Bamaco nos próximos dias, enquanto algumas ONGs solicitaram a seu pessoal expatriado que se reagrupe e permaneça em casa.

Outros atentados

Na Nigéria, o nordeste do país voltou a ser palco de uma nova série de atentados a bomba, que deixou 50 mortos e quase 150 feridos. Nenhum grupo assumiu a autoria desses ataques, que têm características de ações do grupo terrorista Boko Haram. Ocorreram pelo menos três explosões – em dois mercados e em uma rodoviária – na cidade de Maiduguri, capital do Estado de Borno. O atentado mais mortífero foi no mercado de Baga, onde 36 pessoas morreram e 70 ficaram feridas. Suspeita-se que os ataques tenham sido lançados por terroristas suicidas.

O mais visto em ...Top 50