POLÍTICA EXTERNA

Em primeira viagem ao exterior do ano, Dilma prefere Morales a Davos

Presidenta apara arestas com a Bolívia, país que ela não visitou no primeiro governo

Morales, em posse 'ancestral', com ritos indígenas, na Bolívia.
Morales, em posse 'ancestral', com ritos indígenas, na Bolívia.-- (AFP)

Em sua primeira viagem internacional do segundo mandato, a presidenta Dilma Rousseff participa nesta quinta-feira da posse do mandatário boliviano, Evo Morales, em La Paz. Retribui assim o gesto do esquerdista que veio à inauguração do novo Governo brasileiro, em 1º de janeiro, e contribui para reduzir as asperezas da relação bilateral --Morales chegou a se queixar publicamente em 2014 porque a brasileira jamais visitou seu país em seus primeiros quatro anos na presidência.

Para ir à Bolívia, Dilma cancelou a ida ao Fórum Econômico de Davos, na Suíça, o que foi visto menos como deferência a Morales e mais como parte da estratégia de fazer ecoar, sem ruídos, as novas diretrizes do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, entre os investidores internacionais. Em menos de um mês, Levy anunciou alta de impostos, fim de subsídios e métodos mais transparentes na contabilidade estatal. O ministro não poupou críticas, muitas vezes explícitas, à ordem anterior e a leitura é que seria no mínimo constrangedor para Dilma ter que responder sobre a guinada de rumo no evento europeu.

Desde que as mudanças econômicas começaram, Dilma não comentou nem deu entrevistas.

MAIS INFORMAÇÕES

A presidenta levará à Bolívia, crucial fornecedor de gás para o Brasil sob um contrato vigente até 2019, seu novo chanceler, Mauro Vieira, e o assessor internacional da Presidência, Marco Aurélio Garcia, para prestigiar o início oficial do terceiro mandato de Morales, reeleito no ano passado para governar até 2020. Nesta quarta, Morales faz cerimônia ancestral de posse, com ritos indígenas.

"A viagem de Dilma é uma sinalização que tem impacto na relação bilateral", diz Monica Hirst professora titular da Universidade Nacional de Quilmes (Argentina).

Sob Dilma, a relação entre La Paz e Brasília esfriaram, para o que contribuiu a falta de gosto geral da presidenta pelos eventos diplomáticos e a ausência específica de entrosamento entre os mandatários. Foi determinante os problemas provocados pela fuga espetacular do senador boliviano Roger Pinto, em 2013, que chegou ao Brasil após passar mais de 400 dias na embaixada brasileira em La Paz.

Opositor de Morales, Pinto, que nunca recebeu salvo-conduto do governo para deixar a Bolívia, era acusado de tráfico e se dizia perseguido político. Da fuga, participou um diplomata brasileiro, o que provocou a queda do então chanceler brasileiro Antonio Patriota.

Tudo isso é lido, agora, apenas como "incidente" pelo embaixador da Bolívia no Brasil, Jerjes Justiano. O diplomata prevê que em breve se resolverá a última etapa da normalização das relações, o envio de novo embaixador brasileiro a La Paz. Desde a crise, em 2013, o posto está vago porque a oposição no Congresso brasileiro se negava a aprovar o novo nome antes que o imbróglio de Pinto fosse esclarecido.

Mais ênfase

Para a professora Hirst, ainda é cedo para dizer se a viagem de Dilma à Bolívia inaugura um novo momento de maior envolvimento da presidenta nas relações diplomáticas, apesar de ser esse o clamor do Ministério das Relações Exteriores, que atravessa penúria orçamentária e se queixa de desprestígio nos últimos quatro anos. "Todas os indicativos --número de viagens, cooperação internacional, dotação orçamentária do Itamaraty-- mostram que o primeiro governo de Dilma foi menos atento, menos preocupado com o tema da política externa que os dois governos do presidente Lula", afirma Hirst.

Das prioridades do novo chanceler, só uma está clara: a promoção comercial, mas ainda não se sabe que medidas concretas serão tomadas para tal. Mauro Vieira, que foi embaixador em Buenos Aires e Washington, assumiu o cargo prometendo ênfase na abertura de novos mercados para o Brasil, uma agenda importante em termos econômicos quando o país teve em 2014 o seu primeiro déficit da balança comercial em 14 anos.

Arquivado Em: